COVID-19 e LLC (Leucemia Linfocítica Crônica). Frente a pandemia de COVID-19 e muitas perguntas que temos sobre condições hematológicas, estamos adaptando esse questionário publicado no site da Sociedade Americana de Hematologia:

COVID-19 e LLC

COVID-19 e LLC – Atualização em 3 de abril de 2020

Fui diagnosticado recentemente ou sou portador de LLC. Apresento maior risco de COVID-19 grave do que outros pacientes com malignidades hematológicas ou tumores sólidos?

Em geral, os pacientes com LLC são considerados de alto risco para infecções, principalmente pela família bacteriana e do vírus do herpes (HSV, VZV, CMV, EBV) devido à imunodeficiência subjacente e resposta imunológica inadequada a infecções. No entanto, no momento, não há evidências indicando uma incidência desproporcionalmente maior de COVID-19 grave em pacientes com LLC, em comparação com pacientes com outras neoplasias.

Existe uma nova abordagem para iniciar a terapia para LLC durante a pandemia?

Adiar o início do tratamento, se possível. Para pacientes que necessitam de terapia imediata, ainda oferecemos a melhor opção de tratamento, considerando a doença e os fatores específicos do paciente. Quando houver mais de uma opção, deve-se dar preferência aos tratamentos que podem ser oferecidos no ambulatório e exigir menos visitas à clínica e avaliações laboratoriais.

Tentamos evitar ou pular o tratamento com anticorpos monoclonais (rituximabe, obinutuzumabe), especialmente quando administrados em combinação com drogas alvo. O início do venetoclax requer várias visitas clínicas prolongadas com testes de laboratório e deve ser evitado, se possível, a menos que seja considerado o tratamento mais adequado para um paciente em particular.

Existe alguma nova recomendação para pacientes sem COVID-19 que já estão em terapia para LLC?

Sempre que possível, tentamos minimizar o número de visitas para quem está estável e se sai bem. Quando o acompanhamento é necessário, recomenda-se a utilização de laboratórios mais próximos de casa e o uso de telemedicina. A maioria continua terapias dirigidas a LLC em andamento em pacientes não afetados, com exceção de anticorpos monoclonais anti-CD20 e IVIG.

Devo continuar recebendo reposição de imunoglobulina?

Em pacientes sem COVID-19, continuamos apenas os tratamentos de IVIG para pacientes altamente selecionados com histórico de hipogamaglobulinemia e infecções graves ativas ou recorrentes, onde os benefícios potenciais são superados pelos riscos de comparecer à clínica para a infusão. Mesmo nesses casos, infusões menos frequentes devem ser consideradas sempre que possível (por exemplo, a cada 6-8 semanas) visando um nível de IgG de 400-500 mg / dl.

Em pacientes com LLC com COVID-19, o IVIG pode ser continuado. Dado o maior risco de eventos tromboembólicos (TE) com COVID-19, recomendamos a avaliação dos riscos versus benefícios em cada paciente. Também é importante o monitoramento rigoroso dos sintomas da TE.

Tenho LLC e apresento sintomas leves (sem febre alta e sem sintomas respiratórios). Qual é a estratégia de teste para SARS-CoV-2?

O teste para SARS-CoV-2 em pacientes levemente sintomáticos com LLC depende da acessibilidade do teste. Assim como a disponibilidade de tratamento para COVID ou outras infecções e a necessidade de isolar um paciente COVID+ de outros.

Alguns testam apenas aqueles cujos sintomas justificam intervenção médica. A menos que o paciente já esteja em tratamento ambulatorial. Isso acontece, principalmente por causa da disponibilidade limitada do teste e do risco de espalhar doenças ao levar o paciente ao ambulatório.

Outros testam agressivamente o SARS-CoV-2 e outros vírus respiratórios, apesar dos sintomas leves. A explicação para isto é o risco de outros patógenos e o desejo de isolar qualquer pessoa com um vírus respiratório transmissível. Todos os pacientes com sintomas mais graves devem ser testados.

Tenho LLC e apresento resultado positivo para SARS-COV2. Muda algo em minha terapia? Depende do tipo de terapia (BTKi, PI3Ki, venetoclax, anticorpos, quimioimunoterapia, etc.) ou da gravidade da infecção viral?

Para pacientes ambulatoriais com sintomas leves, não modificamos a terapia. Uma decisão sobre a modificação do tratamento em pacientes com sintomas mais graves depende da ponderação da agressividade da LLC. Um histórico de infecções frequentes versus o risco teórico de complicações mais graves da COVID também são considerados.

Atualmente, não há evidências suficientes para sugerir que a abordagem deva ser diferente para classes específicas de medicamentos direcionados para LLC. Assim, as decisões em relação à manutenção ou ao tratamento contínuo são tomadas caso a caso.

Existe um consenso geral sobre a retenção de anticorpos monoclonais para pacientes positivos para COVID+. Se o paciente estiver em uso de um inibidor da sinalização BCR (ibrutinibe, acalabrutinibe, idelalisibe, duvelisibe), a descontinuação às vezes pode resultar em crises de LLC. Nesses casos, a liberação de citocinas também pode imitar alguns dos sintomas do COVID-19. Geralmente, a retomada do inibidor da sinalização BCR resulta na resolução desses sintomas em um período relativamente curto de tempo.

Lembre-se sempre que o seu médico hematologista de confiança está atento ao seu caso específico, para realizar as alterações que forem necessárias em seu tratamento.

Referência: American Society of Hematology

Compartilhe informação: