O tratamento da leucemia pode ser diferente para cada paciente, dependendo de fatores como o tipo e estágio da doença. A escolha do tratamento depende principalmente do tipo de leucemia, se está em fase aguda ou crônica, a idade e se as células cancerosas foram encontradas no líquido cefalorraquidiano.

Com a leitura deste artigo, saiba mais sobre os aspectos que levamos em consideração ao propor cada método de tratamento para um paciente.

Tratamento da Leucemia

O Tratamento da Leucemia

Como a leucemia é um câncer das células do sangue, que percorre todo o corpo, os tratamentos locais, como cirurgia e radioterapia, são usados ​​com pouca frequência.

Em vez disso, opções como quimioterapia agressiva, transplante de medula óssea, terapia direcionada (inibidores de tirosina quinase), anticorpos monoclonais, imunoterapia e outros podem ser usados ​​isoladamente ou em combinação. Em alguns casos, um período de espera atenta pode ser apropriado em alguns casos.

Abordagens pelo Tipo da Leucemia

Para decidir entre os diferentes tipos de tratamentos, é útil entender as abordagens de tratamento para os diferentes tipos de leucemia. Veja a seguir informações detalhadas de cada opção:

Leucemia Linfocítica Aguda (LLA)

Para a leucemia linfocítica aguda (LLA), o tratamento pode levar vários anos. Começa com o tratamento de indução e com o objetivo de remissão. A quimioterapia de consolidação é então administrada (vários ciclos) para abordar qualquer célula cancerígena remanescente e reduzir o risco de recaída. Alternativamente, algumas pessoas podem receber um transplante de células-tronco hematopoiéticas (embora menos comumente do que com a LMA).

Após a terapia de consolidação, a quimioterapia de manutenção é administrada, geralmente em uma dose menor, para reduzir ainda mais o risco de recaída, com o objetivo de sobrevivência a longo prazo. Se as células de leucemia são encontradas no sistema nervoso central, a quimioterapia é administrada diretamente no líquido espinhal.

A radioterapia também pode ser usada se a leucemia se espalhar para o cérebro, medula espinhal ou pele. Infelizmente, as drogas quimioterápicas não penetram bem no cérebro e na medula espinhal devido à presença da barreira hematoencefálica, uma estreita rede de capilares que limita a capacidade de substâncias consideradas estranhas de entrar no cérebro. Por esse motivo, muitas pessoas recebem tratamento preventivo para evitar que as células de leucemia atinjam o sistema nervoso central.

Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Semelhante ao tratamento da LLA, o tratamento da leucemia mieloide aguda geralmente começa com a quimioterapia de indução. Depois que a remissão é alcançada, mais quimioterapia pode ser administrada, ou, para pessoas com alto risco de recaída, transplante de medula óssea. Entre os tratamentos para leucemia, aqueles para LMA tendem a ser os mais intensos e suprimem o sistema imunológico em maior grau.

Os pacientes com mais de 60 anos podem ser tratados com quimioterapia menos intensa ou cuidados paliativos, dependendo do subtipo de leucemia e saúde geral. Leucemia promielocítica aguda (APL) é tratada com medicamentos adicionais e tem um prognóstico muito bom.

Leucemia Linfocítica Crônica (LLC)

Nos estágios iniciais da leucemia linfocítica crônica, um período sem tratamento conhecido como espera atenta pode ser a melhor escolha, mesmo que a contagem de glóbulos brancos seja muito alta. Se determinados sintomas, achados físicos ou alterações nos exames de sangue se desenvolverem, o tratamento é frequentemente iniciado com uma combinação de quimioterapia e um anticorpo monoclonal.

Leucemia Mieloide Crônica (LMC)

Com leucemia mieloide crônica, os inibidores da tirosina quinase, um tipo de terapia direcionada, revolucionaram o tratamento da doença e resultaram em uma grande melhoria na sobrevida nas últimas duas décadas. Esses medicamentos têm como alvo a proteína BCR-ABL, que faz com que as células cancerígenas cresçam.

Para os pacientes que desenvolvem resistência a dois ou mais desses medicamentos, um novo medicamento quimioterápico foi aprovado em 2012. O interferon peguilado, um tipo de imunoterapia, pode ser usado para aqueles que não toleram alguns esquemas farmacológicos. No passado, o transplante de células-tronco hematopoiéticas era o tratamento de escolha para a LMC, mas é usado menos comumente agora e principalmente em pessoas mais jovens com a doença.

Etapas do Tratamento

Alguns tratamentos de leucemia são fornecidos em três fases, cada uma com um objetivo específico:

  • Terapia de indução – Seu objetivo é matar o máximo possível de células de leucemia no sangue e na medula óssea para atingir a remissão. Geralmente dura de quatro a seis semanas.
  • Consolidação – Começa depois que a leucemia está em remissão. O objetivo desta fase é matar todas as células de leucemia não detectadas no corpo para que o câncer não volte. Geralmente administrada em ciclos de quatro a seis meses.
  • Terapia de manutenção – Administrada para matar todas as células de leucemia que possam ter sobrevivido às duas primeiras fases do tratamento, com objetivo de prevenir o retorno da leucemia (recidiva). Geralmente dura cerca de dois anos.

O tratamento também pode ser direcionado ao cérebro e à medula espinhal durante cada uma dessas fases. Isso é feito para matar as células cancerosas que se escondem nessas áreas do corpo onde a quimioterapia não pode alcançar.

Outros tratamentos de leucemia não têm fases e são administrados indefinidamente. O tratamento é retomado ou alterado se a leucemia voltar ou apresentar recidiva.

Quando Considerar a Espera Vigilante

A maioria das leucemias é tratada de forma agressiva quando diagnosticada, com exceção da LLC. Muitas pessoas com esse tipo de leucemia não precisam de tratamento nos estágios iniciais da doença, e um período de observação vigilante ou vigilância ativa é considerado uma opção de tratamento padrão viável.

A espera vigilante não significa a mesma coisa que o tratamento precedente e não reduz a sobrevivência quando usada apropriadamente.

Nesta abordagem, as contagens sanguíneas são realizadas a cada poucos meses e o tratamento é iniciado se forem observados sintomas característicos, como:

  • Febre;
  • Sudorese noturna;
  • Fadiga;
  • Perda de peso maior que 10% da massa corporal;
  • Insuficiência progressiva da medula óssea;
  • Contagem de plaquetas ou de glóbulos brancos muito elevada;
  • Gânglios linfáticos dolorosamente aumentados;
  • Fígado e / ou baço significativamente aumentados.

Abordagens Complementares

Atualmente, não existem tratamentos alternativos que, sozinhos, sejam eficazes no tratamento da leucemia, embora alguns tratamentos integrados, como meditação, oração, ioga e massagem, possam ajudar as pessoas a lidar com os sintomas da leucemia e seus tratamentos.

Embora muitas pessoas acreditem que vitaminas, minerais e suplementos dietéticos sejam relativamente inofensivos, é importante saber que algumas vitaminas podem interferir nos tratamentos contra o câncer. Converse com o seu médico hematologista de confiança antes de iniciar o uso de qualquer suplemento.

Considerações Finais

É importante considerar que um plano de tratamento será desenvolvido especificamente para o seu caso. Vários dos métodos de tratamento descritos acima farão parte do seu plano de tratamento.

Seu médico hematologista de confiança irá determinar um plano de tratamento que ele espera ter o maior sucesso para você, de acordo com sua idade, saúde geral, tipo de leucemia e outras características exclusivas, como a resposta ao tratamento inicial.

Referência: Mayo Clinic

Artigo Publicado em: 21 de fev de 2019 e Atualizado em: 11 de dezembro de 2020

Compartilhe informação: