Leucemia Linfoide Aguda – Saiba Mais

/, Leucemias, Medula Óssea/Leucemia Linfoide Aguda – Saiba Mais

Leucemia Linfoide Aguda – Saiba Mais

A leucemia linfoblástica aguda (LLA) é um tipo de câncer que afeta a medula óssea e a produção de células do sangue. É também chamada de leucemia linfocítica aguda ou leucemia linfoide aguda.

Continue a leitura para saber mais sobre esta neoplasia, suas características e como é realizado seu tratamento.

A Leucemia Linfoide Aguda

Em pessoas com LLA, um tipo de célula do sangue chamado linfócito começa a funcionar de forma anormal. Em vez de amadurecerem em linfócitos em pleno funcionamento – importantes células do sistema imunológico -, eles se multiplicam fora de controle e não morrem no tempo adequado, como células sanguíneas normais.

Como estas células estão subdesenvolvidas (leucêmicas) não podem realizar suas funções normais de combate à infecção. Elas se acumulam na medula óssea e no sangue, expulsando as células sanguíneas normais e saudáveis ​​de que seu corpo precisa.

As células leucêmicas podem viajar pelo seu corpo através da corrente sanguínea e interferir na função de seus órgãos. Todos os casos pioram rapidamente se não forem tratados, o que torna importante iniciar o tratamento logo após o diagnóstico.

Leucemia Linfoide Aguda – Sintomas

Baixos níveis de células sanguíneas normais podem levar a infecções, anemia e sangramento excessivo. Muitos dos primeiros sintomas da LLA são semelhantes à gripe ou a outras doenças comuns menos graves.

Outros sintomas gerais podem incluir perda de apetite, perda de peso inexplicável, dores nos ossos, no estômago, nos braços, nas pernas ou nas costas, abdome inchado, linfonodos inchados no pescoço, axilas, estômago ou virilha, dores de cabeça e vômitos.

Leucemia Linfoide Aguda – Subtipos

Para planejar adequadamente o tratamento, é importante saber qual subtipo de LLA você tem. Este tipo de câncer sanguíneo é dividido em subtipos com base em:

  • De que tipo de linfócito as células leucêmicas vêm (células B ou células T)
  • Quão maduras são as células leucêmicas
  • Se as células têm anormalidades cromossômicas

Leucemia Linfoide Aguda – Classificação

A maioria dos cânceres recebe um estágio numerado com base no tamanho do tumor e em quanto a doença se espalhou. Tipicamente, a leucemia não forma um tumor sólido e é encontrada em todo o corpo, portanto não há um sistema de estadiamento formal para ela.
Em vez disso, é classificada como:

  • Recentemente diagnosticada – O tratamento pode ter começado para alívio dos sintomas, como febre e sangramento, mas ainda não começou para a leucemia.
  • Em remissão – Após o tratamento, você pode ser considerado em remissão se o hemograma completo estiver normal, se não houver células de leucemia na medula óssea e se não houver sinais ou sintomas de leucemia.
  • Recorrente – Isso significa que sua leucemia retornou depois de entrar em remissão.
  • Refratária – Isso significa que a leucemia não respondeu ao tratamento.

Leucemia Linfoide Aguda – Tratamento

O tratamento de leucemia linfóide aguda é geralmente feito em três fases.

Fase 1: Terapia de Indução

Como todos os casos progridem rapidamente, o tratamento intenso para colocar a doença em remissão geralmente começa logo após o diagnóstico. Isso normalmente significa administrar uma combinação de medicamentos quimioterápicos junto com um esteroide no hospital durante vários dias.

Fase 2: Terapia de Consolidação

Cerca de 80% das pessoas com diagnóstico recente de LLA entram em remissão após a terapia de indução. Terapia de consolidação destina-se a evitar uma recaída. Envolve quimioterapia, esteroides e terapia direcionada e geralmente dura de algumas semanas a alguns meses.

Se a sua leucemia não responde bem à terapia de indução, seu médico pode recomendar um regime de tratamento diferente. Neste caso, ou se a sua leucemia tiver características particulares que sugerem que pode ser mais difícil de tratar, pode-se recomendar um transplante de medula óssea para tentar prevenir a recaída.

Fase 3: Terapia de Manutenção

A maioria dos pacientes em remissão faz terapia de manutenção para diminuir o risco de recorrência. Esta fase pode durar alguns anos. Geralmente consiste em doses mais baixas de quimioterapia e terapias direcionadas. Algumas pessoas em remissão têm um transplante de medula óssea.

Converse com seu médico hematologista de confiança sobre todas as suas opções de tratamento e quais informações são úteis para o acompanhamento de longo prazo de sua condição.

2019-04-30T17:09:29+00:00 3 de maio de 2019|Câncer no Sangue, Leucemias, Medula Óssea|