O linfoma cutâneo é uma condição rara que pode ser difícil de diagnosticar. Este tipo de linfoma se desenvolve na pele e não afeta nenhuma outra área do corpo no momento em que é diagnosticado. Apesar de apresentar-se na pele, não é um tipo de câncer de pele (onde o câncer se desenvolve a partir das células da pele).

Neste artigo, conheça as causas e sintomas do linfoma cutâneo e suas formas de diagnóstico e tratamento.

Linfoma Cutâneo - Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Saiba Mais sobre o Linfoma Cutâneo

Existem dois tipos de linfócitos: linfócitos B (células B) e linfócitos T (células T). Os linfomas cutâneos podem se desenvolver a partir de células T ou células B.

  • Linfomas cutâneos de células T (CTCLs) são o tipo mais comum de linfoma de pele. Geralmente, parecem vermelhos e secos como uma erupção cutânea de eczema e podem afetar partes comuns do corpo.
  • Os linfomas cutâneos de células B (CBCLs) causam mais nódulos na pele, geralmente em uma ou duas áreas do corpo.

A maioria dos linfomas cutâneos tem crescimento lento (baixo grau), mas alguns podem crescer rapidamente (alto grau).

Linfoma que começa em outro lugar do corpo e depois se espalha para a pele não é um linfoma cutâneo.

Causas e Fatores de Risco

Linfomas cutâneos são raros. Em geral, são ligeiramente mais comuns em homens que em mulheres.

Eles geralmente são diagnosticados em idosos, na maioria das vezes entre 50 e 74 anos. Somente cerca de 1 em cada 5 linfomas cutâneos afetam pessoas com menos de 50 anos. Muito raramente, alguns tipos de linfoma cutâneo podem se desenvolver em crianças.

Ainda não conhecemos exatamente o que causa o linfoma cutâneo. Mas a realização de pesquisas já mostrou que:

  • não é passado em famílias (herdado);
  • você não pode pegá-lo ou transmiti-lo.

Sintomas

A maioria dos linfomas cutâneos se desenvolve lentamente – às vezes ao longo de décadas. Eles são difíceis de diagnosticar porque geralmente se assemelham a condições mais comuns da pele, como:

  • eczema ou dermatite atópica;
  • psoríase;
  • lúpus eritematoso;
  • erupções cutâneas de causa desconhecida, como dermatite superficial crônica, dermatose digitalizada ou parapsoríase;
  • doenças cutâneas granulomatosas como sarcoidose ou granuloma anular;
  • infecções fúngicas da pele, como micose (tinea corporis).

Reações cutâneas também podem ser confundidas com o linfoma cutâneo. Entre elas, estão:

  • substâncias em contato com a pele, como metais ou cosméticos; esse tipo de reação é chamado de ‘dermatite de contato’;
  • medicamentos, que podem causar erupção cutânea generalizada ou até eritrodermia;
  • luz solar (fotossensibilidade), particularmente na pele exposta do rosto; isso é chamado de ‘reticuloide actínico’ ou ‘dermatite actínica crônica’.

Outra condição que se assemelha ao linfoma cutâneo é o linfocitoma cutâneo, também conhecido como ‘pseudolinfoma’, que pode ser desencadeado por:

  • medicamentos (às vezes chamado de ‘erupção medicamentosa’);
  • vacinações;
  • algumas infecções;
  • corantes de tatuagem;
  • picadas de inseto.

Algumas pessoas fazem muitas visitas ao clínico geral ou clínica de dermatologia antes de obter um diagnóstico final.

Diagnóstico

Diagnosticar linfoma de pele é como resolver um quebra-cabeça. Uma equipe de profissionais em diferentes departamentos hospitalares está envolvida na identificação e montagem das peças.

Isso pode incluir um dermatologista (especialista em pele) e um hematologista (especialista em doenças do sangue, incluindo linfoma) e outros profissionais de saúde, que trabalham como parte de uma equipe multidisciplinar.

Mesmo se o seu médico suspeitar de um linfoma de pele, pode ser necessário repetir os testes várias vezes antes de o diagnóstico ser confirmado.

Felizmente, o tratamento precoce não é crítico para os linfomas cutâneos e eles tendem a responder bem aos tratamentos disponíveis.

Tratamento

Embora os linfomas cutâneos sejam uma forma de câncer, em muitos casos eles crescem muito lentamente e não afetam a expectativa de vida. Eles se comportam mais como uma condição de pele (crônica) a longo prazo do que um câncer.

Muitas pessoas com um linfoma cutâneo de crescimento lento não precisam de tratamento imediato. Em vez disso, o médico monitora a condição. Isso é chamado de ‘monitoramento ativo’ ou ‘espera vigilante’. É frequentemente realizado para linfoma em estágio inicial que não se beneficiaria do tratamento.

Se o seu especialista achar que o tratamento pode ajudar, há muitas opções diferentes:

  • Alguns tratamentos são aplicados diretamente nas áreas afetadas da pele (tratamento tópico), como cremes, loções ou pomadas, terapia de luz ou radioterapia;
  • Outro tratamento afeta todo o seu corpo (tratamento sistêmico), como imunoterapia (medicamentos que usam seu próprio sistema imunológico para ajudar seu corpo a se livrar das células cancerígenas), esteroides, quimioterapia ou, raramente, um transplante de células-tronco.

Se você tiver um linfoma de pele afetando uma única área da pele, poderá ser operado para removê-lo. O tratamento que você precisa depende do tipo de linfoma de pele que você possui e de quanto do seu corpo é afetado.

Referência: American Cancer Society

Compartilhe informação: