A imunoterapia usa nosso sistema imunológico para combater o câncer. Funciona ajudando o sistema imunológico a reconhecer e atacar as células cancerígenas. Existem diferentes tipos de imunoterapia. Algumas delas também são chamadas de terapias direcionadas ou terapias biológicas.

Como funciona a imunoterapia? Bem, isso depende do tipo de imunoterapia que está sendo implementada. Continue a leitura para conhecer os principais tipos de imunoterapia que podem ser usadas para tratar o câncer, especialmente o câncer no sangue.

Tipos de Imunoterapia

Tipos de Imunoterapia

Terapia de Células T CAR

A terapia com células CAR T é um tratamento altamente personalizado que capitaliza a capacidade de combate à infecção de certos glóbulos brancos conhecidos como células T, que normalmente ajudam o sistema imunológico a afastar invasores nocivos, como vírus, bactérias e câncer.

Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.

O objetivo da imunoterapia com células T é modificar as células T do paciente para que estejam melhor equipadas para reconhecer as células cancerígenas do paciente como invasoras.

O tratamento envolve a colocação de uma proteína específica (CAR) na superfície das células T do paciente, criando essencialmente uma “droga viva”.

Embora a terapia com células CAR T seja semelhante à imunoterapia com anticorpos monoclonais, a primeira é muito mais projetada do que a última. E, ao contrário da imunoterapia passiva, a terapia com células CAR T funciona como um medicamento ativo.

Como é Administrada?

As células T saudáveis ​​são derivadas do sangue do paciente por meio de um processo conhecido como leucaferese, durante o qual o sangue passa por uma máquina que coleta uma alta concentração de glóbulos brancos e devolve os glóbulos vermelhos, plaquetas e plasma à corrente sanguínea do paciente.

As células T são então geneticamente modificadas em um laboratório para adicionar o CAR à sua superfície, após o que as células T CAR são duplicadas e devolvidas à corrente sanguínea do paciente por meio de infusão intravenosa.

À medida que as células CAR T circulam pelo corpo do paciente, elas serão guiadas pelos receptores projetados para reconhecer as células cancerígenas como invasores nocivos. Os receptores celulares se ligam a certas proteínas encontradas na superfície das células-alvo e, em seguida, destroem essas células.

Quem se Qualifica?

Atualmente, Terapia de células T CAR é aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para o tratamento de certos tipos de câncer de sangue, incluindo:

Os cientistas continuam a explorar o potencial da imunoterapia CAR T para o tratamento de outros cânceres de sangue e tumores sólidos.

Transferências de Genes TCR

Nos últimos anos, a terapia celular adotiva com células T modificadas – principalmente a terapia com células CAR T – forneceu novas opções de tratamento de imunoterapia para certos pacientes com câncer.

Nessa mesma linha, os cientistas estão avaliando oportunidades de utilizar a tecnologia TCR para atingir tipos de câncer que não podem ser alcançados com a tecnologia CAR.

Um grupo de proteínas encontradas na superfície das células T, os TCRs, se ligam a certos receptores encontrados em células anormais, como células cancerígenas. As células T então atacam as células anormais e assim ajudam o sistema imunológico a combater a célula anormal.

Em ensaios clínicos, as transferências de genes TCR mostraram-se promissoras no tratamento de:

À medida que os cientistas continuam a desenvolver e refinar as técnicas de engenharia genética, o potencial da terapia adotiva de células T para o câncer está mudando drasticamente, tornando essa opção de tratamento inovadora acessível a mais pacientes com diferentes tipos de tumor.

Anticorpos Monoclonais (MABs)

Alguns anticorpos monoclonais (MABs) são um tipo de imunoterapia. Eles funcionam ativando o sistema imunológico e ajudando-o a atacar o câncer.

Os anticorpos são encontrados naturalmente em nosso sangue e nos ajudam a combater infecções. As terapias MAB imitam os anticorpos naturais, mas são feitas em laboratório. Monoclonal significa apenas um tipo. Portanto, cada MAB consiste em inúmeras cópias de um tipo de anticorpo.

Um MAB funciona reconhecendo e encontrando proteínas específicas nas células. Alguns trabalham em células cancerígenas, outros têm como alvo proteínas em células do sistema imunológico.

Cada MAB reconhece uma proteína em particular. Eles funcionam de maneiras diferentes, dependendo da proteína que visam.

Normalmente, o tratamento com MAB é feito por gotejamento (infusão) na veia. Existem alguns MABs que você recebe como uma injeção sob a pele (injeção subcutânea).

Citocinas

As citocinas são um grupo de proteínas no corpo que desempenham um papel importante no fortalecimento do sistema imunológico. Interferon e interleucina são tipos de citocinas encontradas no corpo. Os cientistas desenvolveram versões feitas em laboratório para tratar o câncer.

Estas substâncias funcionam de várias maneiras, incluindo:

  • interferindo na forma como as células cancerígenas crescem e se multiplicam
  • estimulando o sistema imunológico e encorajando as células T estimulando as células cancerígenas a produzir substâncias químicas que atraem as células do sistema imunológico para elas

Vacinas para Tratar o Câncer

As vacinas são um tipo de imunoterapia. Ao contrário das vacinas para nos proteger de doenças, as vacinas de tratamento do câncer são para pessoas que já têm câncer. Sua função é ajudar o sistema imunológico a reconhecer e atacar as células cancerígenas.

A pesquisa nesta área está em um estágio inicial. Portanto, as vacinas estão disponíveis principalmente como parte de ensaios clínicos.

Embora a imunoterapia funcione bem para certos pacientes, é importante ter em mente que não é uma cura para todos os tipos de câncer, nem é o melhor tratamento para todos os pacientes. Seu médico hematologista de confiança pode lhe ajudar a identificar se esta será uma abordagem útil para seu caso.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.