COVID-19 e Linfoma de Hodgkin. Frente a pandemia de COVID-19 e muitas perguntas que temos sobre condições hematológicas, estamos adaptando esse questionário publicado no site da Sociedade Americana de Hematologia:

COVID-19 e Linfoma de Hodgkin

COVID-19 e Linfoma de Hodgkin – Atualização em 30 de março de 2020

Acabei de ser diagnosticado com Linfoma de Hodgkin, meu médico deveria mudar o tratamento em relação à terapia convencional?

No geral, a abordagem de tratamento para o linfoma de Hodgkin ainda não foi impactada significativamente no cenário da linha de frente. No entanto, existem várias alternativas de tratamento com diferentes perfis de toxicidade e diferentes requisitos para diminuir visitas ao hospital. Veja a seguir como ficam os esquemas de tratamento:

Para a fase inicial, doença favorável

Para doenças favoráveis ​​precoces, dois ciclos de ABVD e radioterapia limitada (20 Gy) continuam sendo uma opção, mas requerem várias consultas para radioterapia, mais do que a alternativa do ABVD X 4 com PET / CT provisório.
No entanto, modificações na dose e no cronograma da radioterapia estão sendo consideradas para reduzir a exposição do paciente ao ambiente hospitalar e provavelmente tornarão a abordagem “2 ciclos e 20 Gy” mais atraente. A disponibilidade de PET / CT pode se tornar problemática e sua perda exigirá modificações em nossas abordagens de tratamento.

Para a fase inicial, doença desfavorável

ABVD X 4-6 com PET / CT de intervalo ou ABVD X 4 + 30 Gy RT, sendo o primeiro preferido por causa do menor número de visitas. O uso criterioso do fator de crescimento e antibióticos profiláticos também limitará as toxicidades e a necessidade de visitas e internações hospitalares.

Para doença em estágio avançado

O ABVD com um PET/CT de intervalo negativo pode permitir a eliminação da bleomicina nos ciclos de 3 a 6 pelo estudo RATHL continua como padrão de atendimento. Nos casos de pacientes com PET / CT de intervalo positivo, os especialistas são conservadores quanto à escalada da terapia.

Para os idosos

Nos pacientes idosos, os especialistas continuam a usar regimes de dose reduzida/alterada e suporte ao fator de crescimento para diminuir o risco de mielossupressão e hospitalização. As diretrizes da NCCN fornecem uma lista de opções de tratamento para idosos. Radioterapia ou espera vigilante podem ser uma opção para alguns.

Já iniciei um tratamento, meu médico deveria mudá-lo?

Os especialistas ainda não modificaram os planos de tratamento em andamento, mas estão considerando mais o uso de suporte a fatores de crescimento, antibióticos profiláticos e visitas de telemedicina nos dias em que o tratamento não está agendado.

Seria possível mudar de terapia para minimizar as visitas? Por exemplo, mudar para regimes orais ou menos frequentes? Como fica o uso de radiação?

Infelizmente, os intervalos de tratamento para todos os regimes padrão são os mesmos – a cada duas semanas, mas sempre que possível, a telemedicina está sendo utilizada para pacientes que não têm um tratamento programado. A radiação já é usada seletivamente e pode exigir mais visitas do que uma alternativa à quimioterapia. Estratégias orais para o tratamento do linfoma de Hodgkin estão disponíveis apenas no cenário paliativo.

Existe alguma recomendação de tratamento para doença recidivante/refratária?

Regimes ambulatoriais de segunda linha, como tratamento à base de gencitabina, estão sendo usados ​​com mais frequência do que regimes que requerem hospitalização.

Alguns centros estão usando brentuximab vedotin ou anticorpos PD1 (administrados a cada 4 semanas para reduzir as visitas) quando possível, em vez de quimioterapia e consideram a consolidação das respostas à terapia de segunda linha com radioterapia, em vez de um transplante autólogo de células-tronco do sangue periférico (TMOAuto), especialmente em recaídas tardias.

Alguns centros também estão adotando o TMO Auto, mas a possível escassez de suprimento de sangue pode tornar pouco atraente essa opção. O transplante alogênico de células-tronco não é comumente usado no linfoma de Hodgkin, mas não seria considerado na situação atual.

Existe alguma recomendação na terapia de suporte?

A maioria dos especialistas recomenda o uso mais rotineiro do G-CSF. Para evitar o aumento do risco de pneumonite por bleomicina, pode-se prescrever 3 a 5 dias de filgrastim no meio do ciclo do ABVD eliminando a neutropenia grave. Os especialistas geralmente prescrevem antibióticos profiláticos para pacientes neutropênicos ou aqueles que se espera que se tornem neutropênicos.

Lembre-se sempre que o seu médico hematologista de confiança está atento ao seu caso específico, para realizar as alterações que forem necessárias em seu tratamento.

Referência: American Society of Hematology

Compartilhe informação: