COVID-19 e Mieloma Múltiplo. Frente a pandemia de COVID-19 e muitas perguntas que temos sobre condições hematológicas, estamos adaptando esse questionário publicado no site da Sociedade Americana de Hematologia:

COVID-19 e Mieloma Múltiplo

COVID-19 e Mieloma Multiplo – Atualização em 30 de março de 2020

Tenho Mieloma Múltiplo. Existe uma nova recomendação para abordagem da terapia inicial?

Pacientes com mieloma múltiplo com doença ativa precisam de tratamento para evitar morbimortalidade, apesar da pandemia de COVID-19. No entanto, o tratamento pode ser individualizado para limitar a exposição adicional ao COVID-19.

Recomendamos iniciar a terapia tripla com bortezomibe, lenalidomida e dexametasona (VRD) por 6-8 ciclos, seguida pela manutenção da lenalidomida em pacientes que necessitam de tratamento.

Pacientes idosos com mieloma podem começar com VRD ou daratumumab-Rd (DRd), dependendo do risco citogenético e de outras comorbidades e, se necessário, podem continuar apenas com Rd.

Existe alguma nova recomendação para terapia de manutenção?

Como o risco de recidiva do mieloma é maior sem tratamento, não recomendamos interromper a terapia de manutenção. O acesso estendido à lenalidomida pode ser fornecido aos pacientes por até 2 meses por vez, com check-ins por telemedicina e coleta de sangue em casa, conforme necessário, antes de iniciar um novo ciclo.

Para pacientes de alto risco em manutenção de VRD, recomendamos a continuação da terapia, mas ela pode ser alterada para Rd, se apropriado. Se um paciente apresentar COVID-19 durante o tratamento de manutenção, é prudente interrompê-lo até a resolução da infecção.

Seria um boa opção alterar a minha terapia para minimizar as visitas ao consultório? Por exemplo, mudar para regimes orais e menos frequentes? Com que frequência administrar infusões de bifosfonados?

Sempre que possível, recomenda-se o uso de regimes semanais e orais. Pacientes em esquemas com três medicamentos podem ser avaliados para utilizar regimes orais com duas drogas durante a pandemia de COVID-19, especialmente naqueles com doença estável e com citogenética de risco padrão.

As consultas ambulatoriais para tratamento são restritas aos pacientes nos quais se espera que os benefícios de esquemas não orais com múltiplas drogas superem os riscos.

Os pacientes que recebem bifosfonatos devem ser alterados para a cada 3 meses ou essa classe de medicamentos pode até ser suspensa durante esta pandemia. Exames de laboratório com coleta domiciliar, telemedicina e prescrição via correio devem ser usados ​​para diminuir as visitas ao consultório.

Sou candidato a transplante, existe alguma nova recomendação?

Para pacientes com mieloma elegíveis para transplante, recomenda-se adiar o transplante de células-tronco (incluindo coleta e armazenamento de HSPC) até a redução da pandemia. Nesses casos, a indução contínua de VRD por 6 e até 8 ciclos pode ser considerada.

Pacientes que já estão no processo de coleta de células-tronco podem prosseguir com a coleta de células-tronco, mas o transplante em si deve ser adiado.

Lembre-se sempre que o seu médico hematologista de confiança está atento ao seu caso específico, para realizar as alterações que forem necessárias em seu tratamento.

Referência: American Society of Hematology

Compartilhe informação: