COVID-19 e SMD (Síndrome Mielodisplásica). Frente a pandemia de COVID-19 e muitas perguntas que temos sobre condições hematológicas, estamos adaptando esse questionário publicado no site da Sociedade Americana de Hematologia:

COVID-19 e SMD

COVID-19 e SMD (Síndrome Mielodisplásica) – Atualização em 28 de março de 2020

Sou um paciente com Síndrome Mielodisplásica (SMD). Tenho maior probabilidade de contrair COVID-19 ou de ficar gravemente doente por esse motivo?

Ainda não existem dados indicando que pacientes com SMD ou condições relacionadas têm maior probabilidade de contrair COVID-19 do que pacientes com medula óssea totalmente funcional. A neutropenia e os defeitos funcionais dos neutrófilos que muitos pacientes com SMD têm aumentam o risco de infecções bacterianas e fúngicas em uma extensão muito maior do que o risco de infecções virais.

Dito isto, estudos preliminares parecem indicar que uma alta porcentagem de pacientes hospitalizados tem diagnóstico de câncer atual ou anterior, e pacientes com SMD que foram submetidos recentemente a transplante alogênico de células hematopoiéticas têm um risco acentuadamente aumentado de infecção viral e esse risco provavelmente se estende aos coronavírus.

Portanto, é razoável presumir que pacientes com SMD, particularmente aqueles que são mais linfopênicos ou que foram submetidos a transplantes no último ano, estão comprometidos em sua capacidade de conter o vírus uma vez infectado e têm maior probabilidade de hospitalização e possível necessidade de tratamento intensivo. A neutropenia também pode aumentar o risco de uma infecção bacteriana secundária após a infecção viral.

Meu médico deve mudar o tratamento para minha SMD? (tratamento inicial, escolha do tratamento, considerações sobre transplante)

Pacientes com SMD de alto risco (pontuação IPSS-R> 3,5) ainda devem iniciar a terapia com um agente hipometilante sem demora e sem ajuste da dose. Aqueles que já fazem uso dessa terapia com tolerância e resposta clínica adequadas devem continuar, dado o risco de recidiva se os agentes hipometilantes forem descontinuados.

Não está claro se os agentes hipometilantes influenciam o curso clínico da infecção por COVID-19; agentes hipometilantes alteram a resposta celular do interferon tipo 1, o que hipoteticamente poderia alterar a replicação ou a resposta celular aos vírus, mas não há evidências de significado clínico dessa observação.

Para pacientes com SMD de menor risco (escore IPSS-R <3,5), os objetivos da terapia são minimizar as transfusões e melhorar a qualidade de vida. Nesses pacientes, os tratamentos que correm o risco de comprometer o sistema imunológico podem ser razoavelmente retardados. A terapia que resulta em maior contato com um ambiente de assistência médica (por exemplo, com frequentes exames laboratoriais para monitoramento ou visitas a injeções) pode ser atrasada. Terapias que reduzam as necessidades de transfusão (como agentes estimuladores da eritropoiese) podem resultar em uma diminuição de visitas a serviços de saúde e potencial exposição viral, e, portanto, podem ser consideradas.

O transplante alogênico ainda pode ser viável, mas pode ser difícil obter células tronco de doadores não relacionados. Algumas instituições podem precisar adiar os transplantes alogênicos devido à falta de leitos hospitalares disponíveis, principalmente em unidades de terapia intensiva, mas isso pode aumentar o risco de progressão da doença e deve ser avaliado caso a caso com seu médico.

Possuo SMD. Na atual epidemia, quando devo ser transfundido(a)?

Dada a evolução da escassez de produtos sanguíneos em muitos locais, é razoável tentar aumentar os intervalos de transfusão e reduzir os limiares de transfusão de hemácias para uma hemoglobina de 7 g/dl ou menos para pacientes com SMD que tolerem isso.

Este esquema pode precisar ser modificado para pacientes sintomáticos ou com certas comorbidades, como doença cardiopulmonar grave. As plaquetas devem ser transfundidas para níveis 10 x 109/L ou inferiores, ou para sangramento sintomático, conforme os cuidados habituais. No momento, não há evidências de que o COVID-19 possa ser transmitido em produtos derivados de sangue.

Com qual frequência devo visitar meu médico?

Reconhecendo que os pacientes com SMD e condições relacionadas geralmente apresentam uma medula óssea significativamente comprometida e requerem transfusões e avaliações frequentes, se for possível, é recomendado reduzir ou eliminar as visitas pessoais e as verificações laboratoriais.

Os pacientes com SMD e aqueles com condições relacionadas que estão sendo seguidos com uma abordagem expectante podem ter visitas postergadas. Isso até que o risco de COVID-19 diminua. Quando possível, elas devem ser espaçadas para que ocorram com menos frequência.

Para aqueles que recebem terapia ativa, pode não ser possível alterar a frequência das visitas. O monitoramento regular das contagens sanguíneas ainda é clinicamente necessário. Nesses pacientes, as visitas aos laboratórios devem continuar, mas os exames diretos podem ser minimizados ou eliminados caso a caso.

Se eu tiver febre e neutropenia, meu tratamento deve ser alterado durante a atual pandemia?

Pacientes com SMD com neutropenia febril permanecem em maior risco de infecções com risco de vida. A avaliação clínica nos prazos padrão permanece apropriada com acesso a antibióticos, conforme apropriado.

O teste do COVID-19 deve permanecer direcionado aos sintomas em pacientes com novos sintomas respiratórios (febre, tosse, falta de ar, dor de garganta.) O acetaminofeno é preferível ao ibuprofeno, por reduzir a febre.

Os pacientes com SMD e aqueles com condições relacionadas (por exemplo, aqueles com Del (5q) sendo tratados com lenalidomida) devem armazenar medicamentos?

No momento dessas recomendações, não havia relatos de escassez de medicamentos específicos para pacientes com SMD e condições relacionadas. Não existe um processo para fornecer uma quantidade de medicamento maior do que os suprimentos mensais típicos.

Lembre-se sempre que o seu médico hematologista de confiança está atento ao seu caso específico, para realizar as alterações que forem necessárias em seu tratamento.

Referência: American Society of Hematology

Compartilhe informação: