Quimioterapia e terapia biológica são usadas para destruir células cancerígenas. A quimioterapia funciona interrompendo ou retardando o crescimento de células cancerígenas, que crescem e se dividem rapidamente. Já a terapia biológica utiliza substâncias naturais ou artificiais que alteram a maneira como as células se comportam.

Neste artigo, explicamos as diferenças e semelhanças entre estas duas abordagens terapêuticas contra o câncer.

Quimioterapia e Terapia Biológica

Quimioterapia e Terapia Biológica

A quimioterapia tradicional utiliza substâncias químicas para tratar o câncer. A terapia biológica, por outro lado, usa organismos vivos, substâncias derivadas de organismos ou versões feitas em laboratório dessas substâncias para agir contra as células cancerígenas.

Como a Quimioterapia Funciona

A maioria dos medicamentos quimioterápicos – formalmente conhecidos como agentes citotóxicos (que matam células) – trabalham destruindo células cancerígenas diretamente, muitas vezes danificando seu DNA e fazendo com que elas ativem o processo de morte programada, a apoptose.

Como muitos desses medicamentos também podem danificar as células normais, geralmente produzem efeitos colaterais como náusea, fadiga e perda de cabelo ou outras complicações, dependendo dos agentes específicos utilizados.

Os medicamentos quimioterápicos são frequentemente usados ​​para matar células cancerígenas dispersas pelo corpo ou que se espalharam para vários locais. Eles também podem ser usados ​​para encolher um tumor antes da cirurgia ou tratamento com radiação, destruir células cancerígenas que permanecem após a cirurgia ou terapia com radiação ou ajudar a radioterapia e terapias biológicas a funcionarem melhor.

Como as Terapias Biológica Funcionam

As terapias biológicas (também conhecidas como imunoterapia) podem atacar diretamente as células tumorais ou estimular o sistema imunológico para atacar as células tumorais.

Os efeitos colaterais das terapias biológicas podem variar amplamente, tanto em tipo quanto em intensidade. Dor, inchaço, vermelhidão, coceira e erupção cutânea no local da infusão ou injeção são bastante comuns, mas outros efeitos colaterais podem ser mais graves.

Histórico

A primeira terapia expressamente biológica a ser aprovada pela Food and Drug Administration dos EUA foi a terapia Bacillus Calmette-Guérin (BCG), que envolve uma forma enfraquecida de uma bactéria da tuberculose viva que não causa doenças em seres humanos.

Foi usada pela primeira vez como vacina contra a tuberculose, mas os cientistas descobriram mais tarde que, quando inseridos diretamente na bexiga, estimulam uma ampla resposta imune não apenas contra a bactéria, mas também contra as células cancerígenas da bexiga.

Aproximadamente 70% dos pacientes com câncer de bexiga em estágio inicial sofrem remissão após a terapia com BCG. Atualmente, este método terapêutico está sendo estudado para o tratamento de tipos adicionais de câncer.

Tipos de Terapias Biológicas

Outros exemplos de bioterapias incluem:

  • Anticorpos monoclonais, versões produzidas em laboratório de proteínas naturais que se ligam a proteínas de superficie específicas, chamadas antígenos, nas células cancerígenas e desencadeiam uma resposta do sistema imunológico contra essas células;
  • Interferon, uma enzima que reforça a resposta imune às células cancerígenas ativando certos glóbulos brancos;
    Células T CAR, também chamado de terapia Car-T Cell, que são células do sistema imunológico adaptadas a genes que podem melhorar sua capacidade de buscar e matar o câncer;
  • Vacinas que contêm antígenos associados ao câncer para intensificar a resposta do sistema imunológico às células tumorais de um paciente.
  • Bioterapia experimental com vírus oncolíticos. Esta terapia usa tipos específicos de vírus que infectam células cancerígenas e normais, mas não danificam as células normais. Nas células cancerígenas, por outro lado, elas se reproduzem rapidamente e acabam causando a morte das células.
  • Transferência adotiva de células T. Outra bioterapia experimental, que busca aumentar a capacidade natural de combater o câncer das células T do sistema imunológico de um paciente. Uma abordagem é remover as células T que invadiram o tumor de um paciente. A seguir, identificar aquelas com maior atividade antitumoral, cultivá-las em laboratório e reinfundi-las no paciente.

Seu médico e sua equipe de saúde consideram suas necessidades pessoais para planejar os medicamentos, doses e horários da terapia escolhida para tratar o seu tipo de câncer. Informe a eles sobre quaisquer efeitos colaterais ou sintomas que apresentar. Quanto mais cedo você falar sobre algum problema, mais cedo eles poderão sugerir maneiras de ajudá-lo a lidar com eles.

Referência: Mayo Clinic

Compartilhe informação: