O ato de doação de sangue é uma iniciativa que pode salvar muitas vidas, como todos sabem, mas além disso, ela ajuda a aumentar a qualidade de vida não só de quem recebe, mas também do doador.

Se você ainda não faz parte da pequena parcela da população que doa sangue regularmente, aproveite este artigo para saber mais sobre este procedimento e motivar-se a ser um doador.

Doação de Sangue

O volume sanguíneo no nosso corpo corresponde a cerca de 7% do nosso peso. Quando sofremos um acidente ou temos uma hemorragia, podemos perder de 1,7 a 2,2 litros, causando danos irreversíveis e até fatais, tudo porque o coração não consegue manter a pressão estável e para de funcionar.

O doador acaba sendo beneficiado com bons hábitos e condição de saúde, visto que para doar sangue há alguns requisitos básicos, como: ter boas condições de saúde, pesar mais de 50kg, estar descansado e alimentado, manter um estilo de vida saudável e não ter comportamento de risco.

Doação de Sangue – Critérios

Com o objetivo de preservar a saúde do doador e garantir a qualidade do sangue coletado, o Ministério da Saúde estabeleceu uma série de requisitos e restrições que devem ser seguidos pelos centros de coleta e doadores de sangue.

O processo de pré-triagem analisa questões como pulso, pressão arterial, peso e altura do doador. Caso haja alguma variação que demonstre risco à saúde do indivíduo, e coleta de sangue é impedida. Estas são medidas tomadas para evitar o comprometimento de sua saúde.

Doação de Sangue – Fatores de Impedimento

Entre os requisitos básicos para doação de sangue, estão alguns fatores de impedimento. Veja a seguir quais são eles:

  • Idade inferior a 16 anos ou superior a 69 anos;
  • Indivíduos a partir de 61 anos que nunca doaram sangue;
  • Detecção de anemia do teste realizado antes da doação;
  • Detecção de hipertensão ou hipotensão arterial no momento da doação;
  • Aceleração ou diminuição da frequência cardíaca no momento da doação;
  • Febre no dia da doação;
  • Gravidez;
  • Amamentação (salvo no casos em que o parto ocorreu há mais de 12 meses).

Doação de Sangue – Pacientes Inaptos

Existem alguns perfis de pacientes que são inaptos a doar sangue. Confira abaixo quem não pode ser um doador:

  • Quem tem ou teve um teste positivo para HIV;
  • Quem teve hepatite após os 10 anos de idade;
  • Quem tem histórico de malária;
  • Quem já teve Doença de Chagas;
  • Quem recebeu enxerto de duramater;
  • Quem tem histórico de câncer, incluindo leucemia;
  • Quem tem complicações graves no pulmão, coração, rins ou fígado;
  • Quem apresenta problemas na coagulação de sangue;
  • Diabéticos com problemas vasculares ou em uso de insulina;
  • Quem tem histórico de tuberculose extra-pulmonar;
  • Quem já teve elefantíase;
  • Quem já teve hanseníase;
  • Quem já teve calazar;
  • Quem já teve brucelose;
  • Portadores de alguma doença que gere inimputabilidade jurídica;
  • Pessoas que já foram submetidas a transplante de órgãos ou de medula.

Doação de Sangue –  Impedimentos Temporários e Definitivos

Existe também uma série de impedimentos para doação, alguns temporários, outros definitivos. Alguns exemplos de fatores temporariamente restritivos são: resfriado, gravidez, amamentação, tatuagem (quando realizada dentro de 12 meses antecedentes), diagnóstico de febre amarela, entre outros.

Já os impedimentos definitivos incluem: diagnóstico de hepatite após os 11 anos de idade, diagnóstico de malária, uso de drogas ilícitas injetáveis, diagnóstico de infecções transmissíveis pelo sangue (AIDS, Doença de Chagas, hepatites tipo B e C), entre outros.

Doação de Sangue e Anemia

A anemia está entre as principais restrições dos candidatos que desejam doar sangue, impedindo cerca de 17% das doações de sangue em hemocentros.

No momento da pré-triagem, é realizado um teste rápido que verifica se o doador tem anemia. Caso o resultado seja positivo, o indivíduo fica restrito à doação de sangue e o profissional da saúde deve orientar o paciente a regularizar a condição e voltar quando a situação estiver estabilizada.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que cerca de 30% da população terá anemia ao menos uma vez na vida. A causa mais comum da doença é a carência de ferro na alimentação. A deficiência deste nutriente reduz a concentração de hemoglobina no sangue.

É possível prevenir a anemia através de uma dieta que contemple alimentos com altas concentrações de ferro, incluindo feijão (principalmente o preto), carne vermelha e folhosos verde-escuros. Quando necessário, pode haver reposição de ferro através de suplementos.

Doe Sangue, Doe Vida

Doar sangue, além de fazer bem para quem doa e quem recebe, é um gesto que pode mudar uma vida.

Caso você não apresente nenhuma das características citadas neste artigo, dirija-se ao posto de coleta mais próximo e realize a doação. Com uma única doação de sangue você pode salvar até quatro vidas!

Compartilhe informação: