Classificação e Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin: O estadiamento dos linfomas não-Hodgkin é uma maneira de descrever onde as células neoplásicas estão localizadas, e a fase em que a doença se encontra, o tratamento e o prognóstico dependem desse estadiamento.

Continue a leitura deste artigo para aprender mais sobre assuntos como a localização e a disseminação do linfoma.

O Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin

Para descobrir o estágio do Linfoma, usamos diversos exames de diagnóstico. Dessa forma, o estadiamento pode não estar completo até que todos os testes estejam concluídos. Conhecer o estágio ajuda-nos a decidir o melhor tipo de tratamento e pode ajudar a prever o prognóstico de um paciente. Existem diferentes descrições de estágio para diferentes tipos de câncer. Quanto aos Linfomas não-Hodgkin, avaliamos:

  • O número de áreas de Linfonodos Cancerígenos;
  • A localização dos gânglios linfáticos cancerosos: regional (localizada na mesma área do corpo) ou distante (em outras partes do corpo);
  • Se os gânglios linfáticos cancerígenos estão em um ou ambos os lados do diafragma, o músculo fino sob os pulmões e coração que separa o tórax do abdome;
  • Se a doença se espalhou para a medula óssea, baço ou órgãos extralinfáticos (órgãos que não fazem parte do sistema linfático), como o fígado, os pulmões ou o cérebro.

O estágio do Linfoma descreve a extensão da Disseminação do Tumor usando os números romanos I, II, III ou IV (1 a 4). Este sistema de estadiamento é útil para os subtipos mais comuns de linfoma. Para outros subtipos, a doença muitas vezes já se espalhou por todo o corpo no momento em que é diagnosticada. Nestas situações, os fatores prognósticos tornam-se mais importantes. É importante lembrar que mesmo os linfomas do estágio IV podem ser tratados com sucesso.

Classificação e Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin

Você está lendo: Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin.

Os Estágios dos Linfomas não-Hodgkin

Estágio I: qualquer uma dessas condições se aplica:

  • O Linfoma é encontrado em uma região de linfonodo;
  • O câncer invadiu um órgão ou região extralinfática (identificado pela letra “E”), mas não qualquer região do linfonodo (estágio IE).

Estágio II: qualquer uma destas condições:

  • O Linfoma está em duas ou mais regiões de linfonodos do mesmo lado do diafragma;
  • O câncer envolve um órgão e seus linfonodos regionais, com ou sem câncer em outras regiões de linfonodos do mesmo lado do diafragma (estágio IIE).

Estágio III-IV: Há câncer nas áreas dos linfonodos em ambos os lados do diafragma (estágio III), ou o câncer se espalhou por todo o corpo além dos linfonodos, inclusive medula óssea (estágio IV). O linfoma pode se estender para o fígado, medula óssea ou pulmões. Os linfomas de estágio III-IV são comuns, ainda muito tratáveis ​​e frequentemente curáveis, dependendo do subtipo do linfoma. Estágio III e estágio IV são agora considerados uma única categoria porque eles têm o mesmo tratamento e prognóstico.

Progressivo/Refratário

Se o câncer cresce ou se espalha enquanto o paciente está sendo tratado para o linfoma original, ele é chamado de doença progressiva. Isso também é chamado de linfoma não-Hodgkin refratário.

Recorrente/Recidivado

Linfoma recorrente é o linfoma que voltou após o tratamento. Pode retornar na área onde começou ou em outra parte do corpo. A recorrência pode ocorrer logo após o primeiro tratamento ou anos depois. Se houver uma recorrência, o câncer pode precisar passar novamente pelo processo de estadiamento, usando o sistema acima. Isso também é chamado de linfoma não-Hodgkin recidivado.

Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin – Índice Prognóstico Internacional

Além do estágio, uma escala chamada Índice Internacional de Prognóstico (IPI) é importante na determinação do prognóstico de linfomas agressivos. Prognóstico é a chance de recuperação. No caso do linfoma não-Hodgkin difuso de grandes células B (no caso o mais comum) possui critérios específicos como parte do IPI. Os pacientes são classificados em grupos de prognóstico muito bom, bom ou pobre, dependendo de vários fatores, incluindo:

  • Idade de 60 anos ou mais;
  • Doença em estágio III-IV;
  • Resultados do teste sanguíneo mostrando níveis mais altos do que o normal de lactato desidrogenase (LDH), uma enzima encontrada no sangue;
  • Baixa saúde geral, conhecida como status de desempenho;
  • Câncer em mais de um órgão ou local fora da região do linfonodo.

Os médicos usam esses fatores para estimar o prognóstico do Linfoma de um Paciente. Para o linfoma incurável, eles ajudam a prever quão agressivo o linfoma pode ser.

Você está lendo: Estadiamento dos Linfomas não-Hodgkin.

Status Funcional do Paciente

Para determinar o prognóstico de um paciente, o médico também pode testar quão bem ele é capaz de realizar atividades diárias usando uma escala de avaliação funcional. O status de desempenho do Eastern Cooperative Oncology Group (ECOG) ou as escalas de desempenho de Karnofsky (KPS) são duas dessas escalas.

Status de Desempenho do ECOG

Uma pontuação menor indica um melhor status funcional. Normalmente, quanto melhor alguém for capaz de andar e cuidar de si próprio, melhor será o prognóstico.

Segue abaixo os níveis da classificação:

  1. Totalmente Ativo, capaz de realizar todas as atividades pré-doença sem restrição;
  2. Restrito a atividades fisicamente extenuantes, mas capaz de andar e realizar trabalhos leves em pé ou sentado, como trabalho de escritório;
  3. Capaz de andar e capaz de realizar todas as atividades de autocuidado, mas incapaz de realizar qualquer atividade de trabalho;
  4. Capaz de apenas realizar atividades de autocuidado e de forma limitada; confinado à cama ou cadeira por mais de 50% das horas de vigília;
  5. Completamente limitado; não pode realizar qualquer tarefa de autocuidado; totalmente confinado à cama ou cadeira.

Status de Desempenho KPS

Uma pontuação maior indica um melhor status funcional.

  • 100: Normal;
    • sem queixas;
    • nenhuma Evidência de Doença;
  • 90: Capaz de realizar atividades normalmente;
    • Sintomas menores da Doença;
  • 80: Atividade normal com esforço;
    • Alguns sintomas da doença;
  • 70: Cuida de si mesmo;
    • Incapaz de realizar atividades normalmente ou de
    • Trabalhar ativamente;
  • 60: Requer assistência ocasional, mas é capaz de cuidar de suas necessidades;
  • 50: Requer assistência considerável e cuidados médicos frequentes;
  • 40: Limitado;
    • Requer cuidados e assistência especiais;
  • 30: Gravemente limitado;
    • Hospitalização é indicada, mas a morte não é iminente;
  • 20: Muito doente;
    • Hospitalização necessária;
      • Tratamento ativo necessário;
  • 10: Aproximando-se da morte;
    • processos fatais progredindo rapidamente.

As informações sobre o tipo, subtipo e estágio do câncer, bem como os fatores prognósticos, ajudam o seu Médico Hematologista de confiança a Recomendar e acompanhar os Resultados do seu Plano de Tratamento.

Referências
Compartilhe informação: