Embora não seja considerado uma doença definidora de AIDS, existe uma relação entre linfomas e infecção pelo HIV. O número de casos diagnosticados como linfoma de Hodgkin está aumentando em incidência naqueles com infecção pelo HIV.

Desde o surgimento da AIDS em 1981, uma associação entre a infecção pelo HIV e o desenvolvimento de cânceres específicos foi reconhecida. Em relação aos linfomas, o mais prevalente relacionado ao HIV é o linfoma não-Hodgkin difuso de grandes células B, seguido pelo linfoma de Burkitt. Compreenda melhor esta relação, com a leitura deste artigo.

Linfomas e Infecção pelo HIV

Conteúdo do Artigo

Linfomas e Infecção pelo HIV

A incidência de linfoma em pacientes com infecção pelo HIV excede em muito a da população geral. O aumento do risco de linfoma parece estar relacionado a múltiplos fatores, incluindo as propriedades transformadoras do próprio retrovírus, a imunossupressão, a desregulação de citocinas que resultam da doença e, mais importante, infecções oportunistas com outros vírus de herpes linfotrópicos, como o vírus Epstein-Barr e herpesvírus humano.

Recupere a Saúde da sua Medula Óssea!
Agende uma Consulta com Hematologista Hoje.

O risco relativo de linfoma não Hodgkin é aumentado em pacientes infectados pelo HIV, quando comparado com a população em geral. Para certos subtipos de linfoma, notadamente o linfoma primário do sistema nervoso central (SNC), o risco de pacientes infectados pelo HIV aumentou durante os primeiros anos da epidemia de AIDS.

Características Clínicas

A classificação das neoplasias linfoides pela OMS classifica os linfomas associados ao HIV em:

  • Aqueles que também ocorrem em pacientes imunocompetentes;
  • Aqueles que ocorrem mais especificamente em pacientes HIV positivos;
  • Aqueles que também ocorrem em pacientes com outras formas de imunossupressão.

Os linfomas agressivos são responsáveis ​​pela grande maioria dos casos. Eles frequentemente apresentam estágio avançado, doença volumosa com alta carga tumoral e, tipicamente envolvem locais extranodais.

O resultado clínico parece ser pior do que em linfomas agressivos semelhantes na população geral. No entanto, após a introdução da terapia anti-retroviral altamente ativa, o risco de desenvolver linfoma no contexto da infecção pelo HIV diminuiu e o resultado clínico melhorou.

Embora as células neoplásicas não sejam infectadas pelo HIV na maioria dos casos, evidências in vitro sugerem que o HIV tem propriedades transformadoras. Acredita-se que a contribuição predominante do HIV para a patogênese do linfoma seja através de mecanismos indiretos.

O ambiente imunológico desregulado e permissivo parece permitir o acúmulo de alterações genéticas que levam à transformação maligna. O subtipo de linfoma que evolui parece predicado pelo grau de imunossupressão, presença ou ausência de coinfecção e anormalidades genéticas particulares que se desenvolvem.

Compreenda o Risco

O HIV é um tipo de vírus chamado “retrovírus”. Ele enfraquece o sistema imunológico, destruindo um tipo de célula T (célula T CD4 +). Sem essas células, outros tipos presentes no sistema imunológico, como as células B, não funcionam corretamente.

Pessoas com HIV são menos capazes de combater infecções que estão ligadas a certos tipos de câncer, incluindo o linfoma. Por exemplo, o vírus Epstein-Barr (EBV) infecta principalmente as células B. Em algumas pessoas, o EBV causa alterações nas células B infectadas que estão associadas ao desenvolvimento de linfoma. Este risco é maior se o paciente também tiver outra condição que enfraquece seu sistema imunológico, como o HIV.

Diagnóstico e Tratamento

Se você for diagnosticado com linfoma e não souber se está infectado com HIV, pode ser interessante realizar um teste de HIV. Esta é uma prática padrão em muitos hospitais.

A maioria das pessoas com linfoma não tem HIV. No entanto, se você tem HIV, é importante que sua equipe médica saiba disso para que possam trabalhar com especialistas em HIV para oferecer o melhor tratamento para ambas as condições.

Se você for diagnosticado com linfoma e HIV, pode parecer muito assustador. Você não precisa enfrentar seu diagnóstico sozinho. Existem muitas organizações que podem ajudá-lo. Seu hospital também pode encaminhá-lo para o suporte disponível em sua área.

É importante saber que existem opções de tratamento para HIV e linfoma. As terapias antirretrovirais (ART) são muito eficazes para manter o HIV sob controle. Os tratamentos para linfoma são tão eficazes em pessoas com HIV quanto em pessoas sem HIV.

Terapia Antirretroviral

A ampla disponibilidade e a adoção de terapia antirretroviral altamente ativa desde 1996 reduziram significativamente esse risco. Tem sido demonstrado que a redução do risco se correlacionar com as contagens de CD4 melhoradas que resultam da terapia antirretroviral.

Além de reduzir o risco geral de linfoma, a terapia antirretroviral apresenta outros efeitos sobre as características epidemiológicas do linfoma relacionado ao HIV.

É importante que o paciente com HIV realize adequadamente a terapia antirretroviral, assim como um acompanhamento com o médico hematologista, para realizar check-ups frequentes, no sentido de identificar precocemente o desenvolvimento de complicações e tomar as medidas efetivas em caso positivo.

Cuidados com a Privacidade do Paciente

Se seus amigos e familiares não sabem que você tem HIV, você pode estar preocupado que eles descubram por causa do seu diagnóstico de linfoma.

Lembre-se de que a maioria das pessoas diagnosticadas com linfoma não tem HIV. Não há razão para as pessoas presumirem que você tem HIV só porque tem linfoma.

Você é o melhor juiz sobre a quem contar a respeito de seu status de HIV. Pode ser útil para você conversar com seus amigos e familiares sobre seu diagnóstico, se puder. Você pode descobrir que eles são capazes de lhe oferecer melhor suporte se souberem da sua situação.

Se você não quiser que outras pessoas saibam, discuta isso com sua equipe médica. As pessoas envolvidas em seus cuidados precisam saber sobre a infecção pelo HIV, mas estão sujeitas à confidencialidade: elas não podem compartilhar essas informações com seus amigos e familiares, a menos que você lhes permita.

Além disso, caso você queira conversar com seus amigos e familiares sobre o diagnóstico positivo para o HIV, sua equipe médica pode apoiá-lo.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 26 de abr de 2019 e Atualizado em 29 de julho de 2022

Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.