Recidiva do Câncer. Independentemente do seu diagnóstico ou status do tratamento, todas as pessoas que foram diagnosticadas com câncer têm uma preocupação comum: e se o meu câncer voltar? É um tópico grande e complicado, devido à grande variedade de maneiras que o câncer funciona no corpo, bem como à imprevisibilidade da doença.

Continue a leitura e conheça mais sobre o termo recidiva do câncer, quais as possibilidades de acontecer e como procedemos nesta situação.

Recidiva do Câncer - Qual o Risco? Como Tratar?

Quais São as Taxas de Recidiva do Câncer?

As taxas de recorrência variam amplamente entre os tipos de câncer e dentro dos tipos de câncer, de acordo com estágio, características do tumor, fatores genéticos, fatores relacionados ao paciente e tratamentos.

Muitas estimativas das taxas de recorrência não levam em consideração as opções de tratamento mais recentes, o que é importante considerar, principalmente quando novas terapias anticâncer estão sendo continuamente aprovadas. As taxas de recorrência, portanto, devem ser vistas como estimativas que podem variar entre indivíduos.

Por que o Câncer Pode Voltar?

O câncer recorrente começa com células cancerígenas que o primeiro tratamento não destruiu completamente. Isso não significa que o tratamento que você recebeu estava errado.

Significa apenas que um pequeno número de células cancerígenas sobreviveu ao tratamento e era pequeno demais para aparecer nos testes de acompanhamento. Com o tempo, essas células cresceram em tumores ou câncer que seu médico agora pode detectar.

Como o Câncer Pode Voltar?

Descrevemos o câncer recorrente com base em onde o novo tumor se desenvolveu e até onde se espalhou. Os diferentes tipos de recorrência são:

    • Local – significa que o câncer está no mesmo local que o câncer original ou muito próximo a ele;
    • Regional – significa que o tumor cresceu em linfonodos ou tecidos próximos ao câncer original;
    • Distante – significa que o câncer se espalhou para órgãos ou tecidos distantes do câncer original.

Quando o câncer se espalha para um lugar distante do corpo, é chamado de metástase ou câncer metastático. Quando o câncer se espalha, ainda é o mesmo tipo de câncer.

Às vezes, um novo tipo de câncer ocorre em pessoas com histórico de câncer. Quando isso acontece, o novo câncer é conhecido como um segundo câncer primário. O segundo câncer primário é diferente do câncer recorrente.

Diagnóstico e Estadiamento

Um plano formal de acompanhamento é realizado com qualquer paciente que tenha sido submetido a tratamento contra o câncer. Esse plano inclui um cronograma de visitas ao médico, exames físicos cuidadosos e possivelmente outros testes. Essas visitas e testes são essenciais para garantir que você esteja saudável e observar uma recorrência logo no seu início.

Para descobrir o tipo de recorrência que você tem, serão realizados muitos dos mesmos testes que você fez quando seu câncer foi diagnosticado pela primeira vez, como exames de laboratório e procedimentos de imagem.

Estes testes ajudam a determinar onde o câncer retornou ao seu corpo, se ele se espalhou e até que ponto. O seu médico pode se referir a essa nova avaliação do seu câncer como “reestadiamento”.

Após esses testes, o médico pode atribuir uma nova etapa ao câncer. Um “r” será adicionado ao início do novo estágio para refletir o reestadiamento.

Opções de Tratamento

Como a continuação do tratamento já realizado raramente pode ter um efeito positivo, o paciente tem duas opções:

  1. Uma abordagem paliativa pode ser adotada, onde os medicamentos são administrados em doses não tóxicas para manter a doença sob controle o maior tempo possível. A ênfase está na qualidade de vida e medidas de cuidados de suporte nesse caso.
  2. Outra abordagem é receber tratamento mais intensivo na tentativa de produzir uma remissão completa. Entre as estratégias intensivas, podemos citar o transplante de medula óssea, que oferece a possibilidade de controle ou cura, especialmente para pacientes mais jovens.

Como Lidar com a Recidiva do Câncer

A recorrência causa angústia e ansiedade, da mesma forma que sentimos nos estágios iniciais do câncer. A dúvida e a fadiga são emoções predominantes em muitos pacientes com recorrência.

No entanto, é importante que o paciente procure convertê-los em positividade. O fato de já ter lidado com uma situação semelhante e não perder o jogo deve ser sua principal força. O aconselhamento é vital para o paciente nesta fase. O paciente precisa de muito apoio. A família desempenha um papel crucial, além de o médico garantir que o paciente pode lidar com a doença.

Referência: Mayo Clinic

Compartilhe informação: