Pacientes com síndrome mielodisplásica (SMD) podem apresentar recorrência ou retorno da doença após um período de remissão. Às vezes, mesmo que um paciente não tenha uma remissão completa, uma recorrência pode ser diagnosticada se seus sintomas anteriormente estabilizados e as contagens sanguíneas piorarem repentinamente. Continue a leitura deste artigo para saber mais sobre a Recorrência da Síndrome Mielodisplásica, o que pode causá-la e como procedemos nesta situação.

Recorrência da Síndrome Mielodisplásica

O que Pode Causar Recorrência da Síndrome Mielodisplásica

Quando ocorre uma recorrência, geralmente é o resultado de uma ou mais células malignas que sobrevivem no corpo após a quimioterapia. Essas células podem continuar se multiplicando e interferindo na formação adequada de células sanguíneas, mesmo depois que o paciente recebe uma transfusão de medula óssea.

Entre os pacientes que apresentam recorrência, a maioria dos casos acontece dentro de dois anos após o final do tratamento. No entanto, muitos pacientes vivem vidas saudáveis ​​após o curso inicial do tratamento e nunca experimentam uma recorrência da SMD.

Recorrência Após o Transplante de Medula Óssea

Recupere a Saúde da sua Medula Óssea!
Agende uma Consulta com Hematologista Hoje.

O transplante alogênico de células hematopoiéticas (alo-HCT) é um tratamento potencialmente curativo para a síndrome mielodisplásica. No entanto, os benefícios precisam ser avaliados em relação ao risco de complicações, pois esses pacientes geralmente são adultos mais velhos.

Além disso, apesar dos efeitos benéficos do alo-HCT, esses pacientes apresentam risco substancial de recidiva após o transplante. A recidiva da doença continua sendo um problema importante após o alo-HCT e pode indicar um prognóstico ruim, levando a uma doença rapidamente progressiva com desfecho fatal.

É Possível Prever uma Recorrência?

Geralmente, solicitamos testes citogenéticos e moleculares para ver a probabilidade de que a SMD volte (recaída). Nestes testes, são realizadas avaliações dos cromossomos e genes nas células. Cromossomos e genes carregam instruções que dizem ao seu corpo como fazer tudo o que precisa para funcionar corretamente.

Certas alterações nos cromossomos e genes em células de pessoas com SMD predizem um menor risco de recaída. Outros prevêem um risco maior. Para fazer esse teste, é necessário retirar uma amostra de sangue e medula óssea, para avaliar ao microscópio.

Se a sua doença tiver um alto risco de recaída, você será acompanhado mais de perto para identificar precocemente se acontecer.

Como Procedemos em Caso de Recorrência da SMD

O manejo de pacientes com recidiva após o alo-HCT é desafiador. Vários estudos abordaram a questão da recidiva pós-transplante em pacientes com SMD, recomendando diferentes estratégias.

Exceto nos casos em que os cuidados paliativos ou de suporte são a única opção viável, o tratamento citorredutor (CRT), usando agentes desmetilantes (DMAs) ou quimioterapia do tipo indução, tem sido usado com diferentes graus de sucesso, bem como estratégias imuno terapêuticas, como:

  • Uma infusão de linfócitos de doadores;
  • Um segundo curso de quimioterapia (normalmente referido como quimioterapia de resgate);
  • Um segundo transplante de medula óssea.

Como Funciona o Transplante de Medula para SMD?

O transplante de medula óssea ou transplante de células-tronco do sangue pode tratar pacientes com SMD, incluindo pacientes mais velhos. Ele substitui as células formadoras de sangue prejudiciais (células-tronco) por outras saudáveis. Para algumas pessoas, o transplante pode curar a SMD. Para outros, pode atrasar a recaída.

O transplante alogênico é o tipo mais comum de transplante para SMD. Esta forma de transplante usa células formadoras de sangue saudáveis ​​doadas por outra pessoa para substituir as não saudáveis. Essas células saudáveis ​​podem vir de um membro da família, de um doador não aparentado ou do sangue do cordão umbilical.

Primeiro, você recebe quimioterapia, com ou sem radiação, para matar as células doentes. Em seguida, você recebe as células saudáveis ​​doadas por meio de um cateter intravenoso. As novas células viajam para o interior dos ossos e começam a produzir células sanguíneas saudáveis.

Todo o processo, desde o início da quimioterapia ou radioterapia, até a alta hospitalar, pode durar de semanas a meses. Isso é seguido por alguns meses de recuperação. A equipe de transplante irá observá-lo de perto para prevenir e tratar quaisquer efeitos colaterais ou complicações.

Mais informações sobre este assunto na internet:
Cuide das Alterações do seu Sangue.
Marque sua Consulta com Hematologista Hoje!