A terapia combinada, ou o uso de mais de um tipo de terapia no tratamento de um paciente, é uma característica do tratamento do câncer. A complexidade da doença – sua tendência a se espalhar além do local original e se tornar resistente a certos medicamentos, e sua diversidade genética – ressalta a necessidade de uma variedade de abordagens para atacá-la.

Continue esta leitura para compreender em que consiste a terapia combinada contra o câncer e os benefícios dessa abordagem.

Como Funciona a Terapia Combinada no Tratamento do Câncer

Em que Consiste a Terapia Combinada

A complexidade do câncer ressalta a necessidade de uma variedade de abordagens de tratamento, razão pela qual uma combinação de uma ou mais intervenções terapêuticas é frequentemente usada para combater o câncer.

A terapia combinada pode alcançar eficácia com doses mais baixas ou medicamentos menos tóxicos. Ela pode sensibilizar quimicamente as células, tornando um composto adicional mais potente. Pode ter efeitos aditivos ou sinérgicos, minimizar a resistência aos medicamentos ou combater a resistência esperada.

Às vezes, um tipo de terapia pode tornar um tumor mais vulnerável a um segundo tipo de tratamento. Certos medicamentos quimioterápicos, por exemplo, podem aumentar a vulnerabilidade dos tumores à radioterapia.

Em outros casos, os medicamentos trabalham juntos, cada um aprimorando a potência dos outros, de modo que sua eficácia combinada é maior do que seria previsto pelo impacto individual.

Tipos de Terapia Combinada

Nos últimos anos, uma variedade de novos tratamentos foram introduzidos que complementam a tríade tradicional de cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Isso inclui:

  • Substâncias “direcionadas” que se concentram em genes ou proteínas anormais específicas nas células tumorais;
  • Substâncias anti-angiogênicas que impedem os tumores de extrair nutrientes da corrente sanguínea para continuar seu crescimento sem controle;
  • Inibidores da PARP que interferem na capacidade das células cancerosas de reparar DNA danificado;
  • Agentes de imunoterapia que estimulam um ataque do sistema imunológico aos tumores.

Em alguns tipos de câncer, estas substâncias funcionam bem como agentes individuais. Mais frequentemente, porém, elas são usadas ​​em conjunto para melhorar as perspectivas dos pacientes.

Combinações de diferentes agentes quimioterápicos são frequentemente usadas para fechar as “rotas de fuga” do câncer. Um tumor que se torna resistente a um agente quimioterápico pode sucumbir ao tratamento com um segundo ou terceiro.

Como Escolhemos a Combinação Terapêutica

Por mais de meio século, os médicos tiveram três tipos principais de tratamentos contra o câncer em seu arsenal: cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

O uso de um tratamento específico ou uma combinação de tratamentos depende de uma variedade de fatores, incluindo o tipo de câncer, sua agressividade e seu potencial de se espalhar para outras partes do corpo.

Como regra geral, os tumores sólidos (que formam massas nos órgãos individuais) geralmente são tratados por cirurgia, se limitados ao local em que foram iniciados, e / ou radioterapia para remover ou reduzir o tumor, seguida de quimioterapia para eliminar qualquer tumor remanescente.

Terapia Combinada no Tratamento do Câncer no Sangue

Os tipos de câncer relacionados ao sangue, como leucemia, linfoma e mieloma múltiplo são geralmente tratados por agentes quimioterápicos e / ou radioterapia, porque a doença está dispersa por grandes partes do corpo.

Em muitos casos, a terapia combinada não apenas aumenta as chances de cura ou remissão a longo prazo, mas também reduz os danos aos órgãos e tecidos vitais mais do que uma única abordagem.

Quando novos medicamentos são introduzidos, é importante olhar para o impacto além do que eles podem alcançar sozinhos. Usá-los em combinação tem um efeito multiplicador: seus benefícios são ampliados várias vezes.

Referência: Future Medicine

Compartilhe informação: