O linfoma de células T angioimunoblástico (AITL) é um subtipo de linfoma de células T periférico com aparência característica especial ao microscópio e sintomas clínicos únicos. É raro, compreendendo 10-15% de todos os linfomas de células T e apenas 1-3% de todos os linfomas não-Hodgkin. Geralmente afeta pessoas mais velhas, mas pode ser visto em idades mais jovens.

Continue a leitura e compreenda as características desse tipo de linfoma, seus sintomas e formas de tratamento.

Linfoma de Células T Angioimunoblástico

Características do Linfoma de Células T Angioimunoblástico

Os linfócitos B (células B), são responsáveis por produzir anticorpos específicos para “neutralizar” certos microrganismos invasores. Já os linfócitos T (células T), atuam destruindo diretamente os microrganismos ou auxiliando nas atividades de outros linfócitos.

O linfoma de células T angioimunoblástico é caracterizado pela transformação de um linfócito T em uma célula maligna. Este crescimento anormal e descontrolado e a proliferação de células T malignas podem levar a:

  • Aumento de uma região ou regiões específicas dos linfonodos;
  • Envolvimento de outros tecidos linfáticos, como baço e medula óssea;
  • Disseminação para outros tecidos e órgãos do corpo.

Sintomas

Pacientes com AITL podem apresentar sintomas típicos de linfoma, como aumento de linfonodos, fadiga e falta de apetite e também sintomas específicos de AITL. Estes últimos resultam de uma estimulação anormal e excessiva do sistema imunológico pelas células do linfoma e podem consistir em um ou mais dos seguintes:

  • Erupção cutânea;
  • Dores e inchaço nas articulações;
  • Acúmulo de líquido ao redor dos pulmões (derrames pleurais) ou na cavidade do estômago (ascites);
  • Baixa contagem de glóbulos vermelhos (anemia) causada pela destruição imune.

Diagnóstico e Estadiamento

A excisão de linfonodos (em oposição à biópsia por agulha) é necessária para estabelecer o diagnóstico. Sob o microscópio, as células tumorais parecem estar cercadas por uma malha complicada de pequenos vasos sanguíneos (daí o nome “angio” – vaso sanguíneo).

Após o diagnóstico ser estabelecido, é necessário determinar a extensão com que o linfoma se espalhou pelo corpo. Isso é chamado de estadiamento e é realizado por meio de tomografias computadorizadas e PET, além de biópsia da medula óssea.

O estadiamento é importante na decisão da terapia e na previsão do risco de recidiva após a terapia e / ou probabilidade de cura. Análises adicionais do sangue definirão melhor o prognóstico que, por sua vez, será útil na discussão dos riscos aceitáveis ​​do tratamento.

Tratamento

Depois que o diagnóstico e o estadiamento são concluídos, o tratamento deve ser iniciado imediatamente na maioria dos pacientes, para evitar maior progressão do linfoma e os possíveis efeitos que ele pode ter nos órgãos e sistemas corporais. A maioria dos pacientes seria tratada com uma combinação de vários medicamentos quimioterápicos e esteroides (prednisona).

O tratamento é realizado em ciclos (geralmente a cada 3 semanas) e normalmente contém 6-8 ciclos. A maioria dos pacientes terá uma resposta inicial ao tratamento com retração dos gânglios linfáticos e desaparecimento dos sintomas relacionados ao linfoma (ex: erupção cutânea, comichão, suores, dores nas articulações etc.), com alguns dos pacientes atingindo remissão completa.

Se você obtiver uma resposta (parcial ou completa) ao tratamento inicial, pergunte ao seu médico se o transplante de medula óssea é a coisa certa a fazer no seu caso específico.

Se o seu linfoma AITL reapareceu após remissão inicial ou se não respondeu ao primeiro tratamento, é muito importante determinar o curso de ação mais apropriado com base nas características de sua doença específica, idade e outras condições médicas, no que diz respeito aos riscos da terapia e à probabilidade de cura.

Em geral, mesmo o linfoma reincidente permanece potencialmente curável; no entanto, as abordagens necessárias são significativamente mais agressivas e, portanto, mais arriscadas que o tratamento inicial.

Referência: Lymphoma Action

Compartilhe informação: