A síndrome antifosfolipídica (SAF) é uma doença autoimune rara caracterizada por coágulos sanguíneos recorrentes (tromboses), que podem se formar em qualquer vaso sanguíneo do corpo.

Os sintomas específicos e a gravidade da SAF variam muito de pessoa para pessoa, dependendo da localização exata de um coágulo sanguíneo e do sistema de órgãos afetado.

Continue a leitura para conhecer as complicações hematológicas que a Síndrome Antifosfolipídica pode causar e como seu tratamento é realizado.

Síndrome Antifosfolipídica

Em que Consiste a Síndrome Antifosfolipídica

Recupere a Saúde da sua Medula Óssea!
Agende uma Consulta com Hematologista Hoje.

A SAF é caracterizada pela presença de anticorpos antifosfolípides no organismo. Os anticorpos são proteínas especializadas produzidas pelo sistema imunológico para combater infecções.

Em indivíduos com SAF, certos anticorpos atacam erroneamente o tecido saudável, mais especificamente certas proteínas que se ligam aos fosfolipídios, moléculas de gordura envolvidas no bom funcionamento das membranas celulares. Fosfolipídios são encontrados em todo o corpo.

A razão pela qual esses anticorpos atacam essas proteínas e o processo pelo qual eles causam a formação de coágulos sanguíneos não é conhecida.

Sinais e Sintomas

Os sintomas associados à síndrome antifosfolípide estão relacionados à presença e localização de coágulos sanguíneos. Qualquer sistema de órgãos do corpo pode se tornar envolvido. Os membros inferiores, pulmões e cérebro são afetados com mais frequência.

A gravidade da SAF varia, desde pequenos coágulos sanguíneos que causam poucos problemas até uma forma extremamente rara, na qual múltiplos coágulos se formam em todo o corpo.

Quando os coágulos sanguíneos afetam o fluxo de sangue para o cérebro, uma variedade de problemas pode se desenvolver, incluindo complicações graves, como derrame.

Coágulos sanguíneos em veias grandes e profundas são referidos como trombose venosa profunda (TVP). O local mais comum de TVP são as pernas, que podem ficar doloridas e inchadas. Em alguns casos, um pedaço do coágulo sanguíneo pode se desprender, viajar na corrente sanguínea e se alojar nos pulmões. Isso é conhecido como embolia pulmonar. A embolia pulmonar pode causar falta de ar, dor súbita no peito, exaustão, pressão alta nas artérias pulmonares ou morte súbita.

Erupções cutâneas e outras doenças de pele podem ocorrer em pessoas com SAF. Em alguns casos, feridas (úlceras) podem se formar nas pernas.

Alguns indivíduos afetados podem desenvolver baixos níveis de plaquetas sanguíneas (trombocitopenia). A trombocitopenia associada a anticorpos antifosfolípides geralmente é leve e raramente causa hematomas fáceis ou excessivos e episódios hemorrágicos prolongados. Os indivíduos afetados também correm o risco de desenvolver anemia hemolítica autoimune, uma condição caracterizada pela destruição prematura dos glóbulos vermelhos pelo sistema imunológico.

Nas mulheres, a SAF pode causar complicações durante a gravidez, incluindo abortos repetidos, atrasos no crescimento fetal (retardo do crescimento intrauterino) e pré-eclâmpsia.

Tratamento

Indivíduos com SAF que não apresentam sintomas podem não necessitar de tratamento. Alguns indivíduos podem ser submetidos a terapia preventiva para evitar a formação de coágulos sanguíneos. Para muitos indivíduos, o tratamento diário com aspirina (que fluidifica o sangue e previne a formação de coágulos sanguíneos) pode ser tudo o que é necessário.

Indivíduos com histórico de trombose podem ser tratados com medicamentos que previnem a coagulação. Esses medicamentos são frequentemente chamados de anticoagulantes e podem incluir heparina e varfarina. Indivíduos com eventos trombóticos repetidos podem necessitar de terapia anticoagulante por toda a vida.

É importante ressaltar que os indivíduos afetados são fortemente encorajados a evitar ou reduzir os fatores de risco que aumentam o risco de formação de coágulos sanguíneos. Tais riscos incluem tabagismo, uso de contraceptivos orais, pressão alta (hipertensão) ou diabetes. Durante a gravidez, as mulheres com alto risco de perda da gravidez são tratadas com heparina, às vezes em combinação com aspirina em baixa dose.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:
Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.