O linfoma primário do sistema nervoso central (SNC) é uma forma incomum de linfoma não-Hodgkin, onde células malignas se formam no tecido linfático do cérebro e/ou medula espinhal. É mais comum em pessoas com 50 e 60 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade.

Continue a leitura e conheça como esta doença afeta o organismo, suas causas e tratamento.

Linfoma Primário do Sistema Nervoso Central

Em que Consiste o Linfoma Primário do Sistema Nervoso Central?

O local mais comum para linfoma do sistema nervoso central (SNC) é o cérebro. Pode haver mais de um tumor presente, embora 60-70% dos casos tenham um único tumor. O linfoma primário do SNC também pode começar nas camadas que formam a cobertura externa do cérebro (meninges) ou nos olhos (linfoma ocular).

Os linfomas primários e secundários do SNC são doenças raras. O câncer é uma forma de linfoma extranodal de células B não-Hodgkin de alto grau. A maioria das formas de linfoma do SNC (cerca de 90%) são linfomas difusos de células B grandes; os 10% restantes são linfomas de baixo grau, linfomas de Burkitt e linfomas de células T.

Como o Linfoma Primário do Sistema Nervoso Central Afeta o Organismo?

Os principais sintomas surgem do aumento da pressão dentro do crânio (aumento da pressão intracraniana). Pode ocorrer um bloqueio dentro dos espaços cheios de líquido no cérebro, causando a retenção de líquido espinhal cerebral (LCR), o que causa aumento da pressão intracraniana. O próprio tumor também pode ser a causa do aumento da pressão.

A pressão intracraniana elevada pode causar dores de cabeça, náusea, vômito e distúrbios na visão. Outros sintomas podem incluir:

  • convulsões,
  • confusão,
  • mudanças no comportamento e na personalidade.

Fraqueza ou paralisia de um lado do corpo também podem ocorrer como resultado de um tumor em um lado do cérebro.

O que Causa o Linfoma Primário do Sistema Nervoso Central?

Embora as causas exatas do linfoma primário do SNC sejam desconhecidas, um sistema imunológico enfraquecido, como em pessoas que têm HIV/AIDS ou que tiveram um transplante de órgão, tem um maior risco de desenvolver essa forma de linfoma (Compreenda a Relação entre os Linfomas e Infecção pelo HIV). Porém a incidência em pessoas com uma condição normal do sistema imunológico está aumentando significativamente.

Como é o Tratamento do Linfoma Primário do Sistema Nervoso Central?

O tratamento para o linfoma primário do SNC inclui quimioterapia e, muitas vezes, radioterapia. A terapia com esteroides (por exemplo, dexametasona) é frequentemente administrada antes da quimioterapia. Isto pois ajuda a reduzir o inchaço ao redor do tumor e pode até encolher o tumor, reduzindo a pressão intracraniana elevada. A quimioterapia é administrada na veia e, muitas vezes, também no fluido ao redor do cérebro (intratecalmente).

A radioterapia utiliza raios de alta energia para destruir as células cancerígenas e pode ser um tratamento eficaz para o linfoma primário do SNC em pessoas mais jovens. É utilizado em combinação com quimioterapia e tratamento com esteroides. A cirurgia é usada apenas para fornecer tecido de diagnóstico, e nunca é curativa sozinho. Os anticonvulsivantes podem ser administrados se ocorrerem convulsões como resultado de um tumor.

Se o tratamento for insuficiente ou se a doença retornar, algumas pessoas recebem um transplante de células-tronco usando suas próprias células-tronco (autólogo) ou aquelas de um doador (alogênico). Novos tratamentos estão sendo pesquisados ​​o tempo todo, na busca de novas estratégias para enfrentar este tipo de câncer.

Referência: American Journal of Neuroradiology

Compartilhe informação: