O linfoma não-Hodgkin de células B é um tipo de linfoma que se origina nas células B (glóbulos brancos chamados linfócitos, que produzem anticorpos para combater infecções). É o tipo mais comum de linfoma.

Os sintomas comuns associados ao linfoma incluem aumento indolor de uma ou mais áreas de linfonodos, febre, suores noturnos e perda de peso.

Continue a leitura deste artigo para saber mais sobre Linfoma não-Hodgkin de Células B, seus tipos e formas de tratamento.

 

O Linfoma não-Hodgkin de Células B

Cuide das Alterações do seu Sangue.
Marque uma Consulta com o Hematologista Agora.

Os linfomas não-Hodgkin são classificados com base no tipo de linfócito de onde surgem: células B ou células T.

Os linfomas de células B são muito mais comuns do que os linfomas de células T. Quando uma pessoa se depara com uma célula ou vírus estranho, as células B produzem anticorpos que aderem a essas células e as identificam como estranhas. As células B também atuam como “células de memória”, que ajudam o corpo a reconhecer uma célula estranha ou vírus na próxima vez que estiver presente.

Tipos de Linfoma não-Hodgkin de Células B

Existem muitos tipos diferentes de linfomas de células B. O tratamento geralmente depende do tipo de linfoma e do estágio (extensão) da doença, mas muitos outros fatores também podem ser importantes. Aqui estão os mais comuns:

  • Linfoma difuso de grandes células B (DLBCL) – É chamado de linfoma difuso de grandes células B porque: desenvolve-se a partir de células B anormais; as células anormais são maiores que as normais, células B saudáveis; as células anormais estão espalhadas (difusas) em vez de agrupadas quando examinadas ao microscópio.
  • Linfoma folicular – um tipo comum de linfoma não Hodgkin de crescimento lento (baixo grau) que se desenvolve a partir de células B. É chamado de linfoma “folicular” porque as células B anormais geralmente se desenvolvem em aglomerados chamados “folículos” dentro dos gânglios linfáticos
  • Leucemia linfocítica crônica (LLC) ou linfoma linfocítico pequeno – cânceres de crescimento lento (baixo grau ou ‘indolente’) que podem ser agrupados como um tipo de linfoma não-Hodgkin. Eles geralmente se comportam como uma condição de longo prazo (crônica) que precisa de tratamento de tempos em tempos para mantê-la sob controle.
  • Linfoma de células do manto – um tipo de linfoma não Hodgkin que se desenvolve a partir de células B, chamado de linfoma de ‘células do manto’ porque as células B anormais geralmente se desenvolvem em uma parte de seus gânglios linfáticos chamada ‘zona do manto’.
  • Linfomas de zona marginal – tipos de linfomas não Hodgkin de crescimento lento (baixo grau) que levam esse nome porque se desenvolvem em uma região específica encontrada na borda dos tecidos linfóides normais chamados de zona marginal.
  • Linfoma de Burkitt – Este é um linfoma de crescimento rápido que geralmente é encontrado no estômago.
  • Linfoma linfoplasmocítico (macroglobulinemia de Waldenstrom ou WM). Uma das maneiras pelas quais os linfócitos B combatem a infecção é desenvolvendo-se em células plasmáticas (células que produzem anticorpos). Sob um microscópio, as células anormais observadas na LPL têm características de linfócitos e células plasmáticas – daí o nome ‘linfoplasmocítico’.

Estágios do Linfoma Não-Hodgkin de Células B

Veja a seguir os diferentes Estágios do Linfoma Não-Hodgkin de Células B:

  • Estágio I – Linfoma em uma área de gânglio linfático ou um grupo de gânglios linfáticos, por exemplo, apenas gânglios linfáticos no pescoço esquerdo.
  • Estágio II- Linfoma em duas ou mais áreas de linfonodos, acima ou abaixo do diafragma. Por exemplo, os gânglios linfáticos que estão aumentados no pescoço representam linfoma de estágio II.
  • Estágio III – Linfoma encontrado nos gânglios linfáticos ou no baço acima e abaixo do diafragma.
  • Estágio IV – O linfoma se espalhou para a medula óssea, os ossos ou para mais de um órgão (ou seja, os pulmões, o fígado, etc.). Muitos linfomas não-Hodgkin são estágio IV no momento do diagnóstico.

Causas

Às vezes, eventos aleatórios que não podem ser atribuídos a uma causa específica transformam as células B de glóbulos brancos saudáveis, que combatem infecções, em células cancerígenas. Mas os pesquisadores descobriram conexões entre as seguintes condições e/ou atividades:

  • Vírus, incluindo HIV (vírus da imunodeficiência humana), Epstein-Barr (mononucleose) e vírus da imunodeficiência humana do sarcoma de Kaposi
  • Uma história familiar de linfoma de Hodgkin
  • Ter obesidade.

Algumas pesquisas indicam que as pessoas que têm exposição prolongada e extensa a certos herbicidas usados ​​na agricultura podem ter um risco ligeiramente maior de desenvolver linfoma. Dito isto, não é provável que o linfoma seja causado por exposição infrequente ou ocasional a herbicidas.

Tratamento

O tratamento do linfoma de células B é semelhante ao tratamento de outros tipos de linfoma não-Hodgkin. Essas opções incluem:

  • Quimioterapia – vários tipos de medicamentos para matar as células cancerígenas.
  • Radioterapia – fortes feixes de energia (radiação) para matar células cancerígenas ou impedi-las de crescer.
  • Terapia direcionada – uso de medicamentos que visam mudanças específicas nas células cancerígenas.
  • Imunoterapia – tratamento que usa seu sistema imunológico para combater o câncer, ajudando seu corpo a produzir células de combate ao câncer ou ajudando células saudáveis ​​a identificar e atacar células cancerígenas.
  • Transplante de células-tronco – substituir células-tronco não saudáveis ​​por células-tronco saudáveis.

Cada tratamento tem diferentes efeitos colaterais. E cada paciente reage de maneira diferente a qualquer tratamento. Converse com seu médico hematologista de confiança sobre cada opção de tratamento e possíveis efeitos colaterais. Entender como seu tratamento pode afetá-lo pode ajudá-lo a se sentir mais confiante sobre o gerenciamento de efeitos colaterais.

Mais informações sobre este assunto na Internet:
Recupere a Saúde do seu sistema imunológico!
Reserve Agora mesmo a sua Consulta com Hematologista.