O uso de Terapias Alvo e Imunoterapia na Leucemia oferece várias opções de tratamento, e pesquisas em andamento demonstram um potencial ainda maior para novos tratamentos, especialmente na terapia celular adotiva.

Nem todos os cânceres têm os mesmos alvos. Cada tipo de terapia direcionada funciona de maneira um pouco diferente, mas todas interferem no crescimento e na sobrevivência das células cancerígenas.

Continue a leitura deste artigo para compreender as novas possibilidades de tratamento com Terapias Alvo e Imunoterapia na Leucemia.

Opções de Tratamento com Terapias Alvo e Imunoterapia na Leucemia

O tratamento da leucemia depende da idade do indivíduo, do tipo de câncer e da gravidade da doença. Na maioria dos casos, a quimioterapia é a primeira linha de tratamento para esta doença, embora alguns pacientes precisem de um transplante de células-tronco para eliminar completamente a leucemia.

Cuide das Alterações do seu Sangue.
Marque uma Consulta com o Hematologista Agora.

A imunoterapia é uma classe de tratamentos que tiram proveito do próprio sistema imunológico de uma pessoa para ajudar a matar as células cancerígenas. Além dos transplantes de células-tronco, existem diversas opções de imunoterapia:

Anticorpos Direcionados

Os anticorpos direcionados são proteínas produzidas pelo sistema imunológico que podem ser personalizadas para atingir marcadores específicos nas células cancerígenas, a fim de interromper a atividade cancerígena, especialmente o crescimento desenfreado.

Alvos de anticorpos sob avaliação em ensaios clínicos de leucemia incluem:

  • CD19: um receptor encontrado na superfície de quase todas as células B que influencia seu crescimento, desenvolvimento e atividade; frequentemente expresso por células de leucemia, linfoma e mieloma;
  • CD20: receptor encontrado na superfície das células B durante seu desenvolvimento; frequentemente expresso por células de leucemia, linfoma e mieloma;
  • CD22: um receptor encontrado principalmente na superfície de células B maduras; muitas vezes expresso por células de leucemia e linfoma;
  • CD25 (também conhecido como IL2-R): um receptor de citocina envolvido no crescimento e expansão de células imunes; muitas vezes expresso por células de leucemia e linfoma;
  • CD30: um receptor que se expressa em certos tipos de células imunológicas ativadas; muitas vezes expresso por células de leucemia e linfoma;
  • CD33: um receptor de superfície encontrado em vários tipos de células imunes; muitas vezes expresso por células de leucemia;
  • CD37: uma proteína encontrada em muitos tipos de células imunes; muitas vezes expresso por células de leucemia e linfoma;
  • CD38: uma proteína de superfície celular imune que desempenha funções na adesão e sinalização celular; muitas vezes expresso por células de leucemia e mieloma;
  • CD52: uma proteína encontrada na superfície de células imunológicas maduras, bem como em outros tipos de células;
  • CD123 (também conhecido como IL-3R): um receptor encontrado em células imunes que está envolvido na proliferação e diferenciação celular e é frequentemente expresso por células de leucemia e linfoma.

Veja a seguir os principais anticorpos direcionados que podem ser utilizados no tratamento da leucemia:

  • Alemtuzumab: um anticorpo monoclonal que tem como alvo a via CD52; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC);
  • Blinatumomab: um anticorpo biespecífico que visa CD19 em células tumorais, bem como CD3 em células T; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfoblástica aguda (ALL);
  • Gemtuzumab ozogamicina: um conjugado anticorpo-droga que tem como alvo a via CD33 e entrega drogas tóxicas às células cancerígenas; aprovado para subconjuntos de pacientes adultos e pediátricos com leucemia linfoblástica aguda (ALL) positiva para CD33;
  • Inotuzumab ozogamicina: um conjugado anticorpo-droga que tem como alvo a via CD22 e entrega drogas tóxicas às células cancerígenas; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfoblástica aguda avançada (ALL);
  • Obinutuzumab: um anticorpo monoclonal que tem como alvo a via CD20; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) CD20 positiva, inclusive como terapia de primeira linha;
  • Ofatumumabe: anticorpo monoclonal que tem como alvo a via CD20; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) CD20 positiva, inclusive como terapia de primeira linha;
  • Rituximab: um anticorpo monoclonal que tem como alvo a via CD20; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC), inclusive como terapia de primeira linha.

Terapia Celular Adotiva

A terapia celular adotiva pega as próprias células imunológicas do paciente, expande-as ou as modifica de outra forma e, em seguida, as reintroduz no paciente, onde elas podem procurar e eliminar as células cancerígenas.

Na terapia com células CAR T, por exemplo, as células T são modificadas e equipadas com receptores quiméricos de antígenos (CARs) que permitem uma atividade anti-câncer superior. Células assassinas naturais (NKs) e linfócitos infiltrados em tumores (TILs) também podem ser aumentados e reinfundidos em pacientes.

Os alvos da imunoterapia baseada em células sob avaliação em ensaios clínicos de leucemia incluem:

  • CD19: um receptor encontrado na superfície de quase todas as células B que influencia seu crescimento, desenvolvimento e atividade; frequentemente expresso por células de leucemia, linfoma e mieloma;
  • CD20: receptor encontrado na superfície das células B durante seu desenvolvimento; frequentemente expresso por células de leucemia, linfoma e mieloma;
  • CD22: um receptor encontrado principalmente na superfície de células B maduras; muitas vezes expresso por células de leucemia e linfoma;
  • CD33: um receptor de superfície encontrado em vários tipos de células imunes; muitas vezes expresso por células de leucemia;
  • CD123 (também conhecido como IL-3R): um receptor encontrado em células imunes que está envolvido na proliferação e diferenciação celular e frequentemente expresso por células de leucemia e linfoma;
  • Antígenos relacionados ao vírus Epstein-Barr (EBV): proteínas virais estranhas expressas por células cancerígenas infectadas por EBV;
  • ROR1: uma enzima que normalmente é produzida apenas antes do nascimento, mas muitas vezes é expressa de forma anormal no câncer e pode promover a migração de células cancerígenas, bem como prevenir a morte de células cancerígenas;
  • WT1: uma proteína que é frequentemente mutada e expressa de forma anormal em pacientes com câncer, especialmente o tumor de Wilms (WT).

Veja a seguir os principais medicamentos com abordagem de terapia celular adotiva que podem ser utilizados no tratamento da leucemia:

  • Brexucabtagene autoleucel: uma imunoterapia de células CAR T direcionadas a CD19; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia linfoblástica aguda (ALL);
  • Tisagenlecleucel: uma imunoterapia de células CAR T direcionadas a CD19; aprovado para subconjuntos de crianças e pacientes adultos jovens com leucemia linfoblástica aguda (ALL).

Imunomoduladores

Os imunomoduladores manipulam os “freios” e “pedais do acelerador” do sistema imunológico.

Os inibidores do ponto de verificação visam moléculas nas células imunes para desencadear novas ou melhorar as respostas imunes existentes contra o câncer. As citocinas regulam a maturação, o crescimento e a capacidade de resposta das células imunes. Os adjuvantes podem estimular vias para fornecer proteção mais longa ou produzir mais anticorpos.

Alvos imunomoduladores sob avaliação em ensaios clínicos de leucemia incluem:

  • CD47: esta proteína de superfície age como um “não me coma!” sinal que protege o câncer de ser consumido por células imunes chamadas macrófagos; o bloqueio de CD47 pode melhorar a atividade de macrófagos devoradores de câncer;
  • CD137 (também conhecido como 4-1BB): a ativação dessa via coestimulatória pode ajudar a promover o crescimento, a sobrevivência e a atividade das células T que combatem o câncer;
  • CSF1/CSF1R: bloquear esta via pode ajudar a reprogramar os macrófagos que suportam o câncer;
  • CTLA-4: o bloqueio dessa via pode ajudar a promover a expansão e a diversificação das células T que combatem o câncer;
  • CXCR4: o bloqueio dessa via pode promover a migração e o recrutamento de células imunes;
  • IDO: o bloqueio da atividade dessa enzima pode ajudar a impedir que as células T que combatem o câncer sejam suprimidas;
  • IL-2/IL-2R: a ativação dessa via de citocina pode ajudar a promover o crescimento e a expansão das células T que combatem o câncer;
  • OX40: ativar esta via coestimulatória pode ajudar a promover a sobrevivência das células T após a ativação;
    PD-1 / PD-L1: o bloqueio dessa via pode ajudar a evitar que as células T que combatem o câncer se tornem “exaustas” e pode restaurar a atividade das células T já esgotadas;
  • STAT3: ativar esta proteína de sinalização intracelular pode ajudar a estimular respostas imunes adaptativas;
    Receptores do tipo Toll (TLRs): a ativação desses receptores imunes inatos pode ajudar a estimular respostas semelhantes a vacinas contra tumores.

Veja a seguir os principais medicamentos com abordagem imunomoduladora que podem ser utilizados no tratamento da leucemia:

  • Interferon alfa-2a: uma citocina que tem como alvo a via IFNAR1/2; aprovado para subgrupos de pacientes com leucemia de células pilosas e leucemia mielóide crônica (LMC) com cromossomo Filadélfia positivo;
  • Interferon alfa-2b: uma citocina que tem como alvo a via IFNAR1/2; aprovado para subconjuntos de pacientes com leucemia de células pilosas e linfoma não-Hodgkin folicular agressivo.

Novas imunoterapias estão sendo testadas em ensaios clínicos de leucemia. Embora seu médico hematologista de confiança seja sempre a melhor fonte de informações sobre o tratamento e as perspectivas do seu caso em particular, você pode usar as informações apresentadas neste artigo como um passo inicial para conversar com ele sobre estas novas formas de tratamento.

Mais informações sobre este assunto na Internet:
Diga Adeus às suas Dores.
Reserve a sua Consulta de Hematologia.