Durante anos, os fundamentos do tratamento do câncer foram cirurgias, quimioterapia e radioterapia. Mas ao longo dos últimos anos, a imunoterapia – terapia que recruta e fortalece o poder do sistema imunológico de um paciente para atacar tumores – emergiu como o que muitos na comunidade científica chamam de “quinto pilar” do tratamento do câncer. Uma abordagem de imunoterapia é chamada de transferência de células adotivas. Existem vários tipos dessa abordagem, mas, até agora, aquele que avançou mais longe no desenvolvimento clínico é chamado de terapia CAR T-Cell.

Até recentemente, o uso de terapia CAR T-Cell foi restrito a pequenos estudos clínicos, principalmente em pacientes com câncer de sangue avançado. Mas esses tratamentos, no entanto, capturaram a atenção de pesquisadores e do público por causa das respostas notáveis ​​que produziram em alguns pacientes – crianças e adultos – para os quais todos os outros tratamentos pararam de funcionar. Continue a leitura para conhecer melhor esta abordagem terapêutica.

Conheça a Terapia CAR T-Cell

A terapia CAR T-Cell é um tipo de imunoterapia chamada terapia celular adotiva. Como o próprio nome indica, a espinha dorsal da terapia de células T do CAR são as células T, que são células muito importantes do sistema imunológico devido ao seu papel crítico na orquestração da resposta imune e na morte de células infectadas por patógenos.

O procedimento consiste em extrair células T do sangue do paciente e, em seguida, adicionar um receptor artificial à sua superfície, usando um vírus desarmado. Os receptores na superfície dessas células T são chamados receptores de antígenos quiméricos, ou CARs. As terapias CAR T-Cell mais desenvolvidas visam um antígeno encontrado em células B chamado CD19.

O receptor funciona como um tipo de “míssil que busca calor”, permitindo que as células modificadas produzam substâncias químicas que destroem as células do câncer. Uma vez que as células T coletadas foram projetadas para expressar o CAR específico para o antígeno, elas são “expandidas” em laboratório para centenas de milhões.

O passo final é a infusão das células no paciente, precedida por um regime de quimioterapia. Se tudo correr como planejado, as células manipuladas se multiplicam ainda mais no corpo do paciente e, com a orientação de seu receptor modificado, reconhecem e matam as células cancerígenas que abrigam o antígeno em suas superfícies.

Indicações da Terapia CAR T-Cell

Atualmente, os produtos de terapia com células T aprovados pela FDA são usados ​​apenas para pacientes adultos com linfoma não-Hodgkin de células B ou leucemia linfoblástica aguda na infância que já passaram por dois tratamentos padrão sem sucesso. Mas atualmente, os ensaios clínicos estão começando a avaliar a terapia como primeira linha ou segunda linha de tratamento para o linfoma adulto e leucemia linfoblástica aguda na infância.

Outros cânceres estão sendo analisados ​​para ensaios clínicos com terapia CAR T-Cell, incluindo Linfoma indolente de células B, linfoma de células do manto, mieloma múltiplo e leucemia mieloide aguda.

Benefícios da Terapia CAR T-Cell

A principal vantagem para o paciente é a necessidade de uma infusão única, que geralmente requer no máximo duas semanas de internação. Em contraste, linfoma não-Hodgkin recém-diagnosticado e pacientes com leucemia infantil geralmente precisam de pelo menos seis meses ou mais de quimioterapia.

A terapia CAR T-Cell é também uma droga viva, e seus benefícios podem durar muitos anos. Como as células podem persistir no corpo a longo prazo, elas ainda reconhecerão e atacarão as células cancerígenas se e quando houver uma recaída.

Efeitos Colaterais da Terapia CAR T-Cell

Como todas as terapias contra o câncer, a terapia com células T CAR pode causar vários efeitos colaterais preocupantes e às vezes fatais:

Síndrome de Liberação de Citocinas (SRC)

Este efeito colateral é potencialmente grave. As citocinas (mensageiros químicos que ajudam as células T a desempenhar suas funções) são produzidas quando as células T CAR se multiplicam no corpo e matam as células cancerígenas.

Os sintomas da SRC podem variar de sintomas semelhantes aos da gripe que incluem náusea, fadiga, dor de cabeça, calafrios e febre até sintomas mais graves, como pressão arterial baixa, taquicardia, insuficiência renal, pobre oxigenação pulmonar e falência múltipla de órgãos, necessitando de tratamento de terapia intensiva. Embora a maioria dos sintomas seja reversível, o potencial risco de vida da terapia com células T CAR não deve ser subestimado.

Toxicidades Neurológicas

A frequência, gravidade e natureza dos efeitos neurológicos parecem diferentes entre os produtos CAR-T. Os sintomas comuns incluem comprometimento da linguagem, confusão, delírio, espasmos musculares involuntários, alucinações ou falta de responsividade. Convulsões também foram relatadas.

A neurotoxicidade foi reversível na maioria dos casos e os sintomas foram resolvidos ao longo de vários dias sem intervenção ou efeitos aparentes a longo prazo. No entanto, pode haver eventos neurológicos adversos com risco de vida.

Aplasia das Células B

A terapia de células T CAR voltadas para antígenos encontrados na superfície das células B não apenas destrói as células B cancerígenas, mas também as células B normais. Por conseguinte, a aplasia de células B (número reduzido de células B ou células B ausentes) é um resultado esperado do tratamento com sucesso de células T específicas para CD19.

Este efeito resulta em menor capacidade de produzir os anticorpos que protegem contra a infecção. Terapia de reposição de imunoglobulina intravenosa ou subcutânea pode ser administrada com o objetivo de prevenir infecção. É necessário um estudo de acompanhamento em longo prazo para avaliar os efeitos tardios da aplasia de células B.

Síndrome de Lise Tumoral (SLT)

Outro efeito colateral conhecido da terapia de células T CAR é a síndrome de lise tumoral, um grupo de complicações metabólicas que pode ocorrer devido à degradação de células moribundas – geralmente no início de tratamentos de câncer tóxico. No entanto, este efeito pode ser retardado e ocorrer um mês ou mais após a terapia.

A síndrome pode causar danos aos órgãos e pode ser uma complicação com risco de vida de qualquer tratamento que cause a quebra de células cancerígenas, incluindo células T CAR.

Anafilaxia (Reação alérgica grave)

Existe um potencial para um paciente receber terapia de células T CAR ter uma resposta imensa contra estas células. Os sintomas associados à anafilaxia incluem urticária, inchaço facial, pressão arterial baixa e dificuldade respiratória. Houve alguns relatos de anafilaxia aguda. A monitorização cuidadosa e o tratamento imediato deste efeito colateral com risco de vida são críticos para os pacientes que recebem terapia com células T CAR.

Perspectivas para a Terapia CAR T-Cell

Outros refinamentos ou reconfigurações de células T CAR estão sendo testados. Este já é um grande avanço na forma como tratamos o linfoma de células B e a leucemia. E oferece esperança a pessoas que anteriormente recebiam apenas seis meses de vida. O futuro parece muito mais brilhante agora, à medida que identificamos mecanismos de resistência e desenvolvemos mais estratégias para neutralizá-los. Conte com a orientação do seu médico hematologista de confiança sobre a utilização desta abordagem em seu caso.

Compartilhe informação: