Linfoma de Baixo Grau. O linfoma, tipo mais comum de câncer no sangue, ocorre quando os glóbulos brancos chamados linfócitos se reproduzem e crescem excessivamente.

A doença pode se desenvolver em qualquer parte do corpo. Mais comumente, o local inicial são os linfonodos, que são partes importantes do sistema linfático e imunológico. Existem numerosos subtipos de linfomas que são classificados de acordo com características, localização ou extensão.

O linfoma pode ser de Hodgkin ou o não-Hodgkin, o tipo mais comum. Os linfomas também diferem por:

  • Células das quais se originam, células B ou células T;
  • Proteínas presentes na superfície das células do linfoma;
  • As mutações genéticas que ocorrem nas células.

Existem dois graus de linfoma não-Hodgkin: linfoma de alto grau que cresce rapidamente e linfoma de baixo grau que cresce lentamente.

Linfoma de Baixo Grau

Desenvolvimento de Linfoma de Baixo Grau

O linfoma de baixo grau, também conhecido como linfoma indolente, geralmente é de crescimento muito lento e difícil tratamento, embora muitos pacientes respondam positivamente.

Os linfomas de baixo grau podem ser diagnosticados nos estágios iniciais ou, em casos graves, se espalhar para diferentes locais. As opções de tratamento e a qualidade de vida do paciente são em grande parte determinadas pelo crescimento e disseminação da doença.

Os tipos de linfoma de baixo grau incluem:

  • Folicular,
  • Linfoma de células do manto,
  • Da zona marginal,
  • Extranodal da zona marginal,
  • Nodal da zona marginal,
  • Esplênico da zona marginal,
  • Linfocítico pequeno,
  • Linfomas linfoplasmocitários,
  • Da pele.

Cerca de 40% dos linfomas não-Hodgkin são classificados como de baixo grau. É mais comum entre pacientes idosos e afeta homens e mulheres quase igualmente.

Sintomas e Diagnóstico de Linfoma de Baixo Grau

Pacientes com linfoma de baixo grau geralmente apresentam pouco ou nenhum sintoma. Os primeiros sinais da doença incluem linfonodos inchados, mas indolores. Febre, suores noturnos, perda de peso inexplicável, fadiga, dores nos ossos, abdômen ou no peito, perda de apetite, coceira e náusea ocorrem com o tempo.

Como muitos sintomas podem ser explicados por outras doenças, um diagnóstico precoce pode ser difícil.

O reconhecimento da doença começa quando o médico realiza um exame físico completo e solicita um histórico médico e familiar pessoal. Uma biópsia para analisar o tecido danificado é geralmente a próxima parada. Outros testes podem incluir exames de imagem do tórax, abdômen e pelve, tomografia por emissão de pósitrons (PET), exame da coluna vertebral e exames de sangue para avaliar o tipo, estágio e extensão da linfoma.

Tratamento do Linfoma de Baixo Grau

Muitos pacientes com linfoma de baixo grau podem ter uma vida longa após o diagnóstico inicial. Portanto, para muitos pacientes atualmente é considerado adequado não tratar imediatamente após o diagnóstico, mas observar e esperar.

Uma vez que os pacientes necessitam de tratamento, existem muitas terapias disponíveis: agentes quimioterapêuticos conhecidos por serem eficazes no linfoma de baixo grau incluem os chamados alquilantes, esquemas baseados em antraciclina, análogos de purina e bendamustina.

Além disso, existe a terapia de anticorpos monoclonais. Os pacientes também podem ser submetidos a transplante de células-tronco – autólogas ou alogênicas – com ou sem mieloablação anterior ao transplante alogênico. Existe atualmente alguma experiência no uso de técnicas como vacinação com DNA.

Não está claro se alguns pacientes com linfoma de baixo grau podem ser tratados com intenção curativa, particularmente pacientes nos estágios I e II e alguns no estágio III (por exemplo, aqueles com até cinco linfonodos envolvidos).

Geralmente, o tratamento é realizado para gerenciar os sintomas associados à doença, como sintomas B, insuficiência hematopoiética (por exemplo, anemia, leucopenia e / ou trombocitopenia), progressão rápida do tumor ou doença volumosa. Alguns pacientes desenvolvem fenômenos como anemia hemolítica auto-imune ou púrpura trombocitopênica idiopática como consequência de sua doença, e outros podem ter infecções recorrentes como resultado de hipogamaglobulinemia, todas as quais requerem tratamento.

Prognóstico do Linfoma de Baixo Grau

Aproximadamente um em cada cinco pacientes é diagnosticado com linfoma não Hodgkin de baixo grau nos estágios iniciais, quando a doença é localizada e o prognóstico é encorajador. Durante as fases iniciais, a doença é tipicamente limitada a um ou dois grupos de linfonodos e o médico pode decidir aguardar um pouco. A radioterapia, uma opção de estágio inicial, é projetada para retardar ainda mais o crescimento do câncer.

Nos casos de linfoma avançado não-Hodgkin de baixo grau, as perspectivas não são tão positivas, mas não são totalmente desesperadoras. O tratamento visa controlar o linfoma e o médico pode recomendar terapias medicamentosas.

Referência: Cancer Research UK

Compartilhe informação: