Mitos Sobre o Câncer no Sangue. O câncer de sangue ocorre quando o corpo produz um grande número de células sanguíneas imaturas que são incapazes de funcionar adequadamente, impedindo o funcionamento normal e bloqueando a medula óssea que previne infecções.

Este tipo de câncer é uma doença muito temida, vista com apreensão devido a uma série de mitos em torno de suas causas e tratamentos. Neste artigo, buscamos esclarecer alguns destes mitos. Continue a leitura e saiba mais.

Mitos Sobre o Câncer no Sangue

Saiba Mais sobre o Câncer no Sangue

Nosso sangue contém diferentes tipos de células e outros compostos importantes que o ajudam a desempenhar todas as suas funções variadas. Ele funciona 24 horas por dia, circulando oxigênio e nutrientes para as células e removendo resíduos, protegendo-nos de infecções e mantendo o equilíbrio da água em nosso corpo.

O sangue, como qualquer outro órgão do nosso corpo, também está sujeito ao câncer: uma divisão descontrolada de células. O câncer acontece quando uma célula normal perde o controle sobre seu ciclo de vida e continua se dividindo mesmo quando não há necessidade.

O câncer de sangue pode afetar qualquer um dos diferentes tipos de células presentes no sangue. É um termo amplo que abrange três tipos básicos, classificados de acordo com o tipo de célula sanguínea afetada:

Mitos sobre o Câncer no Sangue

O câncer de sangue, assim como qualquer outro tipo de câncer, ainda é uma doença vista com apreensão. Mas isto resulta, principalmente, da desinformação:

Mito 1: O tratamento do câncer o impede de viver em casa, trabalhar ou realizar sua rotina diária.

A maioria dos pacientes com câncer é tratada em sua comunidade, como pacientes ambulatoriais. Viajar para um centro médico especializado para tratamento pode ser benéfico em alguns casos, quando seu médico assim orientar.

Em algumas ocasiões, pode ser benéfico tirar uma folga do trabalho para se concentrar no seu tratamento. Mas, na maioria das vezes, é possível continuar trabalhando e viver perto de sua família e amigos durante o tratamento, assim como voltar ao seu trabalho após o tratamento, caso tenha decidido realizar uma pausa.

Mito 2: O câncer é genético e não se pode fazer muito a respeito

Mesmo com a presença de fatores de risco com uma variação genética, ainda não existem evidências que garantam o desenvolvimento de câncer nesses casos. Existe um ditado na comunidade científica: “Genes são balas; o ambiente é a arma que os dispara”. Com um estilo de vida saudável, os riscos genéticos são reduzidos significativamente.

Mito 3: Tomar vitaminas e suplementos pode ajudar a reduzir o risco

Embora esta declaração tenha sido fortemente promovida e comercializada, não há nenhuma evidência científica para isso. Em alguns casos, tomar doses mais altas (de vitaminas e suplementos) pode até mesmo aumentar o risco. Em vez de depender de vitaminas artificiais e suplementos de saúde, é preferível manter uma alimentação saudável.

Neste aspecto, há algo ainda mais importante a se considerar: muitos suplementos e medicamentos à base de ervas podem parecer inofensivos, mas às vezes podem interferir no tratamento do câncer.

Por exemplo, algumas ervas podem impedir que a quimioterapia e a radioterapia matem as células cancerosas. E outras ervas podem aumentar o efeito da quimioterapia de uma forma tóxica que leva a efeitos colaterais indesejados.

Recomendamos que os pacientes evitem suplementos e medicamentos à base de ervas durante o tratamento, a menos que seja indicado pelo seu médico.

Mito 4: Todos os pacientes com câncer de sangue precisam de um transplante de medula óssea.

Os transplantes não são necessários para todos os pacientes com câncer no sangue. Os benefícios de um transplante de medula óssea são avaliados individualmente para cada paciente com base em seu diagnóstico, resposta ao tratamento e perfil genético do tumor.

Mito 5: A anemia causa câncer no sangue.

A anemia pode se desenvolver em pacientes com câncer no sangue, mas não é a causa dela. A anemia ocorre quando o corpo produz quantidades insuficientes de glóbulos vermelhos saudáveis ​​ou hemoglobina.

Esta é uma condição potencialmente grave, pois nossas células dependem deles para obter oxigênio. Quando começa a faltar oxigênio para nossas células, o funcionamento normal dos órgãos do corpo começa a apresentar falhas, causando o que chamamos de fadiga.

A anemia pode ser causada por uma variedade de condições médicas, sendo a deficiência de ferro a causa mais comum.

Mito 6: O único tipo de câncer no sangue é a leucemia.

Leucemia, Mieloma e Linfoma são os principais tipos de câncer do sangue. Mas atualmente, já consideramos outras doenças como um tipo de câncer no sangue. Como exemplo, podemos citar as Síndromes Mielodisplásicas e as Síndromes Mieloproliferativas, como a Trombocitemia Essencial, Policitemia Vera e Mielofibrose.

Mito 7: O câncer de sangue é incurável.

Em nossa longa batalha contra o câncer, cada dia traz algo de positivo. As taxas de sucesso do tratamento do câncer de sangue estão melhorando intensamente e os pacientes estão vivendo mais do que nunca.

Existem agora vários agentes terapêuticos eficazes e direcionados que têm sido eficazes, como quimioterapia, radioterapia, terapia direcionada, transplante de medula óssea e imunoterapia para vencer o câncer, graças aos inúmeros laboratórios envolvidos em pesquisas de ponta. Há uma melhor chance de cura completa quando o diagnóstico é precoce.

O câncer é uma doença difícil – tanto para o paciente quanto para seus entes próximos. É fácil se desesperar com o diagnóstico. Estar presente com seu ente querido em momentos tão difíceis e nunca perder as esperanças é tão importante quanto o regime de tratamento. Um diagnóstico precoce, seguir o plano de tratamento e ter uma perspectiva mental positiva é a chave para combater eficazmente esta doença.

Mais Informações sobre “Mitos Sobre o Câncer no Sangue” na Internet:
Compartilhe informação: