A leucemia é um tipo de câncer no sangue que acomete a medula óssea. Ao receber o diagnóstico, muitos pacientes podem ter para si mesmos a dúvida: “o que é leucemia?”. Por este motivo, vamos abordar neste artigo, alguns aspectos relevantes desta doença, assim como algumas orientações para o sucesso do seu tratamento.

O que é Leucemia?

A leucemia acontece quando os glóbulos brancos perdem a função de defesa e passam a se produzir de maneira descontrolada, provocando uma anomalia nas células. Isto faz com que estas células percam a capacidade de combater infecções.

No Brasil, atualmente a leucemia é o 9º câncer mais comum entre os homens e o 11º entre as mulheres.

Tipos de Leucemia

A doença pode ser dividida em dois grandes grupos: mieloide e linfoide.

Quando os glóbulos brancos passam a combater as células linfóides, a leucemia é chamada de: leucemia linfóide, linfocítica ou linfoblástica.

Já quando os glóbulos brancos passam a combater as células mieloides, a leucemia é então chamada de leucemia mieloide ou mieloblástica.

Outra classificação que é dada à leucemia é derivada do crescimento rápido de células imaturas. Neste caso, a leucemia pode ser aguda ou crônica.

O que é Leucemia? – Classificações Gerais

Existem quatro classificações gerais de leucemia:

  • Leucemia Linfocítica Aguda (LLA);
  • Leucemia Mielogênica Aguda (LMA);
  • Leucemia Linfocítica Crônica (LLC);
  • Leucemia Mieloide Crônica (LMC).

Sendo que a primeira, LLA é a mais comum em crianças e a segunda, LMA em adultos.

Também existem tipos mais raros como a leucemia de células pilosas, síndromes mielodisplásicas e distúrbios mieloproliferativos.

Causas e Fatores de Risco da Leucemia

Os quatro tipos de leucemia ocorrem por conta de uma alteração genética e não hereditária, que pode ser adquirida durante a vida da pessoa.

Embora não se saiba a causa exata da Leucemia, acredita-se que alguns dos fatores de risco podem incluir:

  • Pessoas que já fizeram quimio ou radioterapia;
  • Pessoas portadoras da Síndrome de Down;
  • Pessoas que tenham uma forte história familiar com a doença;
  • Exposição a altos níveis radiação.

Sintomas da Leucemia

Os sintomas vão depender do estágio em que se encontra aleucemia, mas os mais comuns são:

  • Dor nos ossos;
  • Palidez;
  • Perda de peso;
  • Febre, calafrios, suores noturnos;
  • Dores de cabeça;
  • Fígado e baço aumentados;
  • Amígdalas inchadas;
  • Fraqueza e fadiga;
  • Gengivas inchadas ou sangrando.

Caso apresente algum desses sintomas, é imprescindível buscar um médico hematologista para avaliação.

Tratamento da Leucemia

O tratamento para a Leucemia vai depender do tipo da doença, estado geral de saúde e idade do paciente. Alguns tratamentos recomendados podem incluir:

  • Quimioterapia;
  • Terapias biológicas;
  • Radioterapias;
  • Transplante de células tronco.  

Pacientes que sofrem de leucemia aguda, geralmente, são submetidos à quimioterapia, sendo que esse tipo de tratamento tem como alvo células de divisão rápida. Por outro lado, na leucemia crônica, o melhor tratamento é a terapia direcionada, que ataca as células que se dividem lentamente.

Fases do Tratamento

O tratamento pode ser realizado por meio de algumas fases.

A primeira tem como objetivo atingir a remissão completa, ou seja, curar o paciente por meio da poliquimioterapia. Isso ocorre somente após meses de tratamento e quando exames não demonstram mais anormalidades antes presentes.

Nas etapas seguintes, o tratamento vai variar de acordo com o tipo de Leucemia. Nos pacientes que possuírem o tipo mieloide, o tratamento pode durar menos de um ano, já  nas que convivem com as Linfóides o prazo é mais de dois anos. Esse processo pode dar origem a mais três fases:

  • Indução, que consiste no tratamento intensivo com substâncias não utilizadas anteriormente;
  • Reindução ou repetição de medicamentos usados na fase de indução da remissão;
  • Manutenção, que já é o tratamento mais brando e contínuo, podendo durar vários meses.

Em alguns casos, o paciente deverá ser internado por conta de infecções, devido a queda de glóbulos brancos que pode haver durante o tratamento.

Compartilhe informação: